Produção agroeconômica de três variedades de alface: cultivo com e sem amontoa

Néstor Antonio Heredia Zárate, Maria do Carmo Vieira, Marcelo Helmich, Diego Menani Heid, Carlos Tutida Menegati

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar o comportamento produtivo e a sustentabilidade de três variedades de alface (Cinderella - tipo crespa, Rafaela - tipo americana e Elisabeth - tipo lisa), cultivadas com e sem amontoa, nas condições ambientes de Dourados-MS. Os tratamentos foram arranjados como fatorial 3 x 2, no delineamento experimental de blocos casualizados, com cinco repetições. Aos 77 dias após a semeadura fez-se a colheita. O número e a altura e o diâmetro das "cabeças" de alface, assim como as massas frescas de "cabeças" comerciais e não comerciais, foram influenciados significativamente pela interação das variedades e do cultivo com e sem amontoa. A alface Rafaela apresentou as maiores produções, sob amontoa, exceto para número de "cabeças" não comerciais que foi menor e inversamente relacionada com o número de "cabeças" comerciais. Os custos de produção das alfaces cultivadas, com e sem amontoa, foram de R$ 4.936,99 ha-1 e R$ 4.467,06 ha-1, respectivamente. Nas condições em que foi desenvolvido o experimento, as maiores rendas líquidas (R$ 38.827,51 ha-1 e R$ 35.397,44 ha-1, com e sem amontoa, respectivamente) foram obtidas com a alface Rafaela, em relação às alfaces Cinderella e Elisabeth, em qualquer uma das formas de cultivo estudadas. A amontoa induziu maiores rendas líquidas dentro de cada variedade de alface estudada. Concluiu-se que para se obter maior produção de "cabeças" de alface comerciais e maior renda líquida deve-se optar pelo cultivo da variedade Rafaela e utilizar a amontoa como trato cultural.


Palavras-chave


Alface; Plantas; Cultivares

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.