Degradação ruminal de silagem de capim-elefante com adição de vagem de algaroba triturada

Aníbal Coutinho do Rêgo, Paulo César de Aguiar Paiva, Joel Augusto Muniz, Eric Haydt Castello Branco Van Cleef, Otávio Rodrigues Machado Neto

Resumo


Esta pesquisa foi realizada visando-se avaliar a degradação ruminal da matéria seca (MS), proteína bruta (PB) e fibra em detergente neutro (FDN) de silagens de capim-elefante colhido aos 70; 90 e 110 dias após rebrota, com inclusão de 0; 5; 10 e 15% de vagem de algaroba triturada, com base na matéria natural, em delineamento inteiramente casualizado arranjado em parcelas subdivididas. Amostras de cada silagem foram incubadas no rúmen de duas vacas Jersey por 3; 6; 12; 24; 48; 72 e 96 h, sendo os saquinhos referentes ao tempo zero apenas lavados em água para determinação da fração solúvel. Não houve interação (P > 0,05) tempo de incubação x inclusão de vagem de algaroba x idade de corte para degradabilidade da MS, embora tenha ocorrido interação destes fatores para degradabilidade da PB e FDN. A maior degradabilidade efetiva (DE) da MS (42,54%) foi observada para 15% de inclusão de vagem de algaroba. A DE da PB foi maior (69,04%) para silagem de capim-elefante com 70 dias de idade com 15% de vagem de algaroba. A inclusão de vagem de algaroba triturada à silagem de capim-elefante melhora a degradabilidade da MS, PB e FDN, enquanto o avanço da idade após rebrota resulta em redução destes parâmetros.


Palavras-chave


Degradabilidade in situ; Ensilagem; Pennisetum purpureum; Prosopis juliflora

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.