Micotoxicose em avestruz Struthio camelus. Relato de caso

Carlos Tadeu Bandeira Lavor, Francisco Militão de Sousa

Resumo


As micotoxinas são capazes de produzir efeitos tóxicos, teratogênicos, mutagênicos, carcinogênicos e depressão do sistema imune. Os primeiros sinais clínicos são fraqueza e inapetência. O fígado apresenta aumento de volume, seguido por fibrose hepática. As micotoxinas causam sérios prejuízos econômicos por morte de animais. Em uma criação comercial de avestruzes, 150 animais de diversas idades, apresentaram incoordenação motora, perda do apetite e apatia. Após ocorrerem quatro óbitos no plantel, buscou-se ajuda para contornar o problema. Na necropsia em análise macroscópica, constataram-se lesões de fígado com aumento de volume e coloração amarelada e, parte da ração das aves com “bolor”, suspeitando-se de micotoxicose. Enviou-se material para análise (fígado e ração) no laboratório, onde se constatou a presença de fungos e lesões de fígado. Foi administrado, via oral, em cada indivíduo, aminoácidos e polivitamínicos. A forma mais efetiva de impedir a produção de micotoxinas e seus efeitos deletérios à estrutiocultura é prevenir o crescimento dos fungos nas rações. Os fatores de risco estão representados pelo consumo de alimentos contaminados com aflatoxinas nos ingredientes e nas rações acabadas.


Palavras-chave


Aflatoxin. Fungus. Food.

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.