Physical quality of bauxite tailing after a decade of environmental recovery

Lorena Abdalla de Oliveira Prata Guimarães, Luiz Eduardo Dias, Genelício Crusoé Rocha, Igor Rodrigues de Assis, Raphael Bragança Alves Fernandes

Resumo


Tailings from bauxite washing produced in Porto Trombetas, Pará state, a Brazilian Amazon region, have chemical and physical characteristics limiting the development of plants, which hinders to revegetate the tanks where they are deposited. This study was carried out under field conditions, and aimed to assess the physical quality of these tailings after a decade of recovery practices. Three treatments were assessed: no application of inputs and planting of seedlings (T1) and two levels of fertilization, one with lower (T2) and other with higher (T3) doses of limestone and fertilizers associated with planting tree seedlings. After ten years of experimentation, penetration resistance (PR) and substrate moisture up to 60 cm depth were assessed and the least limiting water range (LLWR), water retention curve (WRC), and pore size distribution were determined and calculated. After a decade of environmental recovery, differences in physical characteristics were observed in the tailings due to different revegetation modes. Moisture in the substrate profile, LLWR, WRC, and pore size distribution were sensitive indicators to variations in substrate physical quality. Liming, fertilization, and planting of seedlings are necessary for revegetation and improvement of the physical quality of tailings. Treatment T3 was the best intervention identified so far for tank revegetation. The absence of fertilization and planting precludes revegetation even with sources of propagules nearby.


Palavras-chave


Revegetation; Mining; Natural regeneration

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, D. S. G. et al. Estudo de beneficiamento químico e físico e caracterização de bauxitas do Pará. Holos, ano 28, v. 5, p. 115-124, 2012.

ALVARES, C. A. et al. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, v. 22, n. 6, p. 711-728, 2013.

ARSHAD, M. A. et al. Physical tests for monitoring soil quality. In: DORAN, J. W.; JONES, A. J. Methods for assessing soil quality. Madison: Soil Science Society of America, 1996. p. 123-141. (SSSA Special publication 49).

BERTIOLI JÚNIOR, E. et al. Intervalo hídrico ótimo e grau de compactação de um latossolo vermelho após 30 anos sob plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 36, n. 3, p. 971-982, 2012.

BEUTLER, A. N.; CENTURION, J. F. Efeito do conteúdo de água e da compactação do solo na produção de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 38, n. 7, p. 849-856, 2003.

BEUTLER, A. N.; CENTURION, J. F.; ALVARO, P. S. Comparação de penetrômetros na avaliação da compactação de latossolos. Engenharia Agrícola, v. 27, n. 1, p. 146-151, 2007.

BLAINSKI, E. et al. Intervalo hídrico ótimo num Nitossolo Vermelho distroférrico irrigado. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, p. 273-281, 2009.

BLAINSKI, E. et al. Quantificação da degradação física do solo por meio da curva de resistência do solo à penetração. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 32, n. 3, p. 975-983, 2008.

BORGES, T. A. et al. Avaliação de parâmetros fisico-hídricos de Latossolo Vermelho sob pastejo e sob cerrado. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 13, n. 1, p. 18-25, 2009.

CAPRONI, A. L. et al. Ocorrência de Fungos Micorrízicos Arbusculares em resíduo da mineração de bauxita revegetado com espécies arbóreas. Acta Botanica Brasilica, v. 21, n. 1, p. 99-106, 2007.

CARVALHO, G. J. et al. Correlação da produtividade do feijão com a resistência à penetração do solo sob plantio direto. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 10, n. 3, p. 765-771, 2006.

CAVALIERI, K. M. V. et al. Efeitos de sistemas de preparo nas propriedades físicas de um latossolo vermelho distrófico. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, p. 137-147, 2006.

CUNHA, J. C. et al. Comparação de dispersantes químicos na análise granulométrica de solos do estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 8, p. 783-789, 2014.

DIAS, L. E.; FRANCO, A. A.; CAMPELLO, E. F. C. Fertilidade do solo e seu manejo em áreas degradadas. In: NOVAIS, R. F. et al. Fertilidade do Solo. Viçosa: SBCS, 2007. p. 955-990.

DONAGEMMA, G. K. et al. Manual de métodos de análises de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 230 p.

DOURADO NETO, D. et al. Soil Water Retention Curve - SWRC, version 3.00 beta. Piracicaba: Universidade de São Paulo, 2001.

EHLERS, W. et al. Penetration resistance and root growth of oats in tilled and untilled loess soil. Soil and Tillage Research, v. 3, n. 3, p. 261-275, 1983.

GUIMARÃES, L. A. O. P. et al. Alterações físicas e teor de matéria orgânica em um rejeito da lavagem de bauxita revegetado com diferentes níveis de adubação. In: FERTBIO, 29. 2010, Guarapari. Anais... Guarapari: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2010. CD-ROM.

HILLEL, D. Introduction to environmental soil physics. Amsterdam: Elsevier Academic Press, 2004. 494 p.

LEÃO, T. P.; SILVA, A. P. A simplified Excel® algorithm from estimating the least limiting water range of soils. Scientia Agricola, v. 61, p. 649-654, 2004.

LIMA, C. L. R. et al. Produtividade de culturas e resistência à penetração de Argissolo Vermelho sob diferentes manejos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 45, n. 1, p. 89-98, 2010.

MOREIRA, F. R. et al. Intervalo hídrico ótimo em um latossolo vermelho cultivado em sistema semeadura direta por 25 anos. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 38, p. 118-127, 2014.

PINTO, R. L. S. et al. Determinação do ponto de carga zero da bauxita da região nordeste do Pará. Cerâmica, v. 58, p. 465-467, 2012.

REIS, L. L. Monitoramento da recuperação ambiental de áreas de mineração de bauxita na Floresta Nacional Saracá-Taquera, Porto Trombetas (PA). 2006. 159 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2006.

RIBEIRO, K. D. et al. Propriedades físicas do solo, influenciadas pela distribuição de poros, de seis classes de solos da região de Lavras-MG. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 4, p. 1167-1175, 2007.

SANTINI, T. C.; FEY, M. V. Assessment of Technosol formation and in situ remediation in capped alkaline tailings. Catena, v. 136, p. 17-29, 2016.

SANTINI, T. C.; KERR, J. L.; WARREN, L. A. Microbially-driven strategies for bioremediation of bauxite residue. Journal of Hazardous Materials, v. 293, p. 131-157, 2015.

TORMENA, C. A. et al. Variação temporal do intervalo hídrico ótimo de um Latossolo Vermelho distroférrico sob sistemas de plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, p. 211-219, 2007.

TORMENA, C. A.; SILVA, A. P.; LIBARDI, P. L. Caracterização do intervalo hídrico ótimo de um Latossolo Roxo sob plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 22, p. 573-581, 1998.

VAN GENUCHTEN, M. T. A closed form equation for predicting the hydraulic conductivity of unsaturated soils. Soil Science Society of America Journal, v. 44, p. 892-898, 1980.

WEHR, J. B.; FULTON, I.; MENZIES, N. W. Revegetation strategies for bauxite refinery residue: a case study of Alcan Gove in Northern Territory, Australia. Environmental Management, v. 37, n. 3, p. 297-306, 2006.

XUE, S. et al. A review of the characterization and revegetation of bauxite residues (Red mud). Environmental Science and Pollution Research, v. 23, n. 2, p. 1120-1132, 2016.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.