Development of methodology to test the electrical conductivity of Marandú grass seeds

Paulo Alexandre Fernandes Rodrigues de Melo, Cibele Chalita Martins, Edna Ursulino Alves, Roberval Daiton Vieira

Resumo


The electrical conductivity test enables the evaluation of seed vigor for a maximum period of 24 hours, but the need to count the seeds to obtain a sample for analysis makes it difficult to apply this test to small seeds, such as forage grasses. The objective of this study was to establish a practical methodology for testing the electrical conductivity of Brachiaria brizantha (Hochst. Ex A. Rich.) Stapf ‘Marandú’ seeds and to estimate its effect on seedling emergence in the field. The water content, germination, first germination count, first emergency count, percentage, and rate of seedling emergence speed in the laboratory, seedling emergence in the field, and electrical conductivity of eight batches of seeds was analyzed. In the last test, the periods of conditioning (2, 4, 6, 8, and 24 hours) and the volumes (50 and 75 mL) of distilled water used were evaluated and a new sampling methodology based on the seed volumes, obtained with the aid of a 1.5 ml plastic tube (Eppendorf), was developed. The experimental design was completely randomized, with four replications. The electrical conductivity test using volume sampling from seeds immersed in 75 mL of water and readings taken after 2 or 4 hours was the most efficient method for evaluating the vigor of marandú grass seed batches and provided information equivalent to seedling emergence in the field.

Palavras-chave


Brachiaria brizantha; Forage grasses; Physiological quality; Vigor tests

Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, R. F. et al. Teste de condutividade elétrica para sementes de feijão-mungo-verde. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 123-130, 2011.

BISCOLA, P. H. N.; PEREIRA, M. A.; COSTA, F. P. Relatório de avaliação dos impactos das tecnologias geradas pela embrapa gado de corte. Campo Grande: Embrapa Gado de Corte, 2013. 14 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 395 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Gabinete do ministro. Instrução normativa nº 30, de 21 de maio de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 maio 2008. Seção 1, p. 45.

COIMBRA, R. A. et al. Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2). Ciência Rural, v. 39, n. 9, p. 2402-2408, 2009.

DELOUCHE, J. C. et al. O teste de tetrazólio para a viabilidade da semente. Brasília: AGIPLAN, 1976. 103 p.

DUTRA, A. S.; MEDEIROS FILHO, S.; TEÓFILO, E. M. Condutividade elétrica em sementes de feijão-caupi. Revista Ciência Agronômica, v. 37, n. 2, p. 166-170, 2006.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; SILVA JÚNIOR, J. A. Desvendando os mistérios do coeficiente de correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje, v. 18, n. 1, p. 115-46, 2009.

GASPAR, C. M.; NAKAGAWA, J. Teste de condutividade elétrica em função do número de sementes e da quantidade de água para sementes de milheto. Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 2, p. 70-76, 2002.

GASPAR-OLIVEIRA, C. M. et al. Duração do teste de germinação de Brachiaria brizantha cv. marandú (Hochst. ex A. Rich.) Stapf. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 3, p. 30-38, 2008.

LOPES, R. R.; FRANKE, L. B. Teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de azevém (Lolium multiflorum L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p. 123-130, 2010.

MACHADO, C. G. et al. Adequação do teste de condutividade elétrica para sementes de Pisum sativum subsp. Arvense. Ciência Rural, v. 41, n. 6, p. 988-995, 2011.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid selection evolution for seedling emergence and vigor. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MARCOS FILHO, J. Seed vigor testing: an overview of the past, present and future perspective. Scientia Agricola, v. 72, n. 4, p. 363-374, 2015.

MARTINELLI-SENEME, A.; ZANOTTO, M. D.; NAKAGAWA, J. Efeitos da forma e do tamanho na qualidade de sementes de milho, cultivar AL-341. Revista Brasileira de Sementes, v. 22, n. 1, p. 232-238, 2000.

MATTHEWS, S.; POWELL, A. A. Electrical conductivity vigour test: physiological basis and use. ISTA News Bulletin, n. 131, p. 32-35, 2006.

NERY, M. C.; CARVALHO, M. L. M.; GUIMARÃES, R. M. Testes de vigor para avaliação da qualidade de sementes de nabo forrageiro. Informativo ABRATES, v. 19, n. 1, p. 9-20, 2009.

NOGUEIRA, J. L. et al. Teste de condutividade elétrica para avaliação do potencial fisiológico de sementes de aveia preta. Revista Ceres, v. 60, n. 6, p. 896-901, 2013.

OLIVEIRA, S. S. C. et al. Seleção de progênies de nabo-forrageiro para germinação sob altas temperaturas. Ciência Rural, v. 44, n. 2, p. 217-222, 2014.

RIBEIRO, D. M. et al. Teste de condutividade elétrica para avaliar o vigor de sementes em milho-pipoca (Zea mays L.). Revista Ceres, v. 56, n. 6, p. 772-776, 2009.

SENA, D. V. A.; ALVES, E. U.; MEDEIROS, D. S. Vigor de sementes de milho cv. ‘Sertanejo’ por testes baseados no desempenho de plântulas. Ciência Rural, v. 45, n. 11, p. 1910-1916, 2015.

SILVA, L. B.; MARTINS, C. C. Teste de condutividade elétrica para sementes de mamoneira. Semina: Ciências Agrárias, v. 30, p. 1043-1050, 2009. Suplemento 1.

SPONCHIADO, J. C.; SOUZA, C. A.; COELHO, C. M. M. Teste de condutividade elétrica para determinação do potencial fisiológico de sementes de aveia branca. Semina: Ciências Agrárias, v. 35, n. 4, p. 2405-2414, 2014. Suplemento.

STEINER, F. et al. Comparação entre métodos para a avaliação do vigor de lotes de sementes de triticale. Ciência Rural, v, 41, n. 2, p. 200-204, 2011.

VERZIGNASSI, J. R. et al. Pyricularia grisea: novo patógeno em Brachiaria brizantha cv. Marandu no Pará. Summa Phytopathologica, v. 38, n. 3, p. 254, 2012.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.