Sintomas de toxidez de níquel em feijoeiro

Marcela Campanharo, Pedro Henrique Monnerat, Marcelo Curitiba Espindula, Wanderson Souza Rabello, Guilherme Ribeiro

Resumo


Apesar de o Ni ser importante no metabolismo do N em leguminosas, o feijoeiro comum (Phaseolus vulgaris L.) é considerado bastante sensível a doses de Ni. Objetivou-se caracterizar os sintomas de fitotoxidez de Ni em feijoeiro comum cv. Pérola. O experimento foi conduzido em casa de vegetação na Universidade Estadual do Norte Fluminense - Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes - RJ. Foram aplicados 0; 20; 40; 60 e 100 mg L-1de Ni (2,5 mL de solução por planta) na forma de cloreto de níquel hexahidratado - NiCl2.6H2O, na parte aérea de plantas de feijoeiro comum aos 25 dias após a semeadura. Plantas de feijão tratadas com 0; 20; 40 e 60 mg L-1 de Ni não apresentaram sintomas de ftoxidez. Já as plantas que receberam a dose de 100 mg L-1 de Ni apresentaram folhas cloróticas e com manchas acinzentadas que coalesceram e se tornaram necróticas em um estádio mais avançado.


Palavras-chave


Phaseolus vulgaris L.; Clorose; Necrose

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.