Estresse hídrico na germinação e vigor de sementes de feijão submetidas à diferentes soluções osmóticas

Ceci Castilho Custódio, Gisele Rabelo Salomão, Nelson Barbosa Machado Neto

Resumo


O feijão é uma planta sensível ao estresse hídrico, devido à baixa capacidade de recuperação após a falta de água e a um sistema radicular pouco desenvolvido. O presente estudo teve o objetivo de verificar os efeitos das soluções osmóticas CaCl2, MgCl2 e Manitol nos potenciais de 0; -0,3; -0,6; -0,9 MPa durante a germinação de sementes de feijão. Foram avaliadas a germinação, primeira contagem de germinação, classificação de vigor, comprimento de parte aérea e de raiz primária e as massas secas de parte aérea e raiz das plântulas. O cloreto de cálcio permitiu máxima germinação nos potencial de -0,55 MPa enquanto manitol e MgCl2 não promoveram diferenças de germinação. A deficiência de água diminuiu a velocidade de germinação independente dos osmóticos. Entre os parâmetros de desenvolvimento de plântulas, o comprimento de raiz foi o mais sensível, indicando que a raiz se desenvolveu menos com os osmóticos CaCl2 e MgCl2 que com o manitol. Portanto, os íons Ca2+ e Mg2+ funcionaram como sinalizadores de estresse induzindo maior tolerância da plântula à deficiência de água, daí o menor desenvolvimento de raízes nos tratamentos com CaCl2 e MgCl2 em relação ao manitol.


Palavras-chave


Phaseolus vulgaris L.; Plantas-relações hídricas; Desenvolvimento de plântulas; Feijoeiro; Potenciais osmóticos.

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.