Tratamento físico-químico do caldo de cana produz cachaça de qualidade

Mara Lucia Dias Ribeiro, Osania Emerenciano Ferreira, Vitor Teixeira, Miguel Angelo Mutton, Márcia Justino Rossini Mutton

Resumo


A cachaça é a aguardente produzida a partir da destilação do fermentado de caldo de cana. Atualmente destaca-se por ser a segunda bebida alcoólica mais consumida no Brasil e a terceira destilada no mundo. Diversos fatores afetam negativamente a cadeia produtiva, entre eles o tratamento do caldo e a levedura utilizada. Neste sentido, o objetivo do trabalho foi avaliar a influência do tipo de fermento e o tratamento do caldo sobre a qualidade do destilado. O experimento foi realizado na safra 2014/2015, utilizando-se a variedade SP83-2847. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com parcelas subdivididas, com 9 repetições. As parcelas foram constituídas pelo modo de tratamento do caldo (caldo clarificado e não clarificado) e as subparcelas os tipos de fermento (Natural e CA-11). Foram determinadas características químicas do mosto, como Sólidos Solúveis Totais (SST), Compostos Fenólicos Totais (CFT), Açúcares Redutores Totais (ART) e Acidez Total. No processo fermentativo avaliou-se a viabilidade das células e brotos e o índice de brotamentos. No vinho determinou-se o SST, ARRT, pH, acidez total, teor alcoólico, glicerol e eficiência fermentativa. Determinou-se a composição das cachaças através da quantificação de aldeídos totais, ésteres totais, metanol, acroleína, carbamato de etila, furfural, acidez volátil e coeficiente de congêneres. Analisou-se ainda condutividade elétrica, turbidez e pH, sendo os componentes secundários determinados por cromatografia gasosa. O tratamento prévio do caldo resultou em mosto de condições ideais para a levedura. A levedura CA-11 apresentou maiores teores de viabilidade celular. A associação entre tratamento de caldo e uso de fermento selecionado resulta em cachaça de composição mais equilibrada.


Palavras-chave


Caleagem simples; Bebida destilada; Cana-de-açúcar; Fermento nativo; CA-11

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, F. M. Processo de fabricação do açúcar. 3. ed. Recife: Editora Universitária UFPE, 2011. 449 p.

ALCARDE, A. R.; MONTEIRO, B. M. S.; BELLUCO, A. E. S. Composição química de aguardentes de cana-de-açúcar fermentadas por diferentes cepas de leveduras Saccharomyces cerevisiae. Química Nova, v. 35, n. 8, p. 1612-1618, 2012.

AMORIM, H. V.; BASSO, L. C.; ALVES, D. M. G. Processos de produção de álcool. Piracicaba: Centro de Biotecnologia Agrícola, 1996. 103 p.

ANJOS, J. P. et al. Identificação do carbamato de etila durante o armazenamento da cachaça em tonel de carvalho (quercus sp) e recipiente de vidro. Química Nova, v. 34, n. 5, p. 874-878, 2011.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 28, de 8 de agosto de 2014. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 ago. 2014, Seção 1.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 13, de 30 de junho de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 jun. 2005, Seção 1.

CAMOLEZ, M. A.; MUTTON, M. J. R. Influência de microrganismos contaminantes sobre o processo fermentativo. STAB-Sociedade dos Técnicos Açucareiros e Alcooleiros do Brasil, v. 23, n. 5, p. 4 4-47, 2005.

CARDOSO, M. G. Produção de aguardente de cana. 3. ed. Lavras: UFLA, 2013. 340 p.

CARUSO, M. S. F.; NAGATO, L. A. F; ALABURTA, J. Benzo(a)pireno, carbamato de etila e metanol em cachaças. Quimica Nova, v. 33, n. 9, p. 1973-1976, 2010.

CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Manual de métodos de análises para açúcar. Piracicaba: Laboratório de Análises, 2005. CD-ROM.

FOLIN, O.; CIOCALTEAU, V. On tyrosine and tryptophane determinations in proteins. The Journal of Biological Chemistry, v. 73, n. 2, p. 627-50, 1927.

LEE, S. S.; ROBINSON, F. N.; WONG, H. Y. Rapid determination of yeast viability. In: BIOTECHNOLOGY BIOENGINEERING SYMPOSIUM, 11. Gatlingburg. Anais… Gatlingburg, 1981.

LIMA, J. R.; BRUNO, L. M.; SILVA, J. L. A. Potencial de utilização de leveduras “killer” para produção de cachaça. Revista Ciência Agronômica, v. 38, n. 4, p. 366-371, 2007.

McGOWAN, M. W. et al. Peroxidase–coupled method for colorimetric determination of serum glicerides. Clinical Chemistry, v. 29, p. 538-542, 1993.

MONTIJO, N. A. et al. Yeast CA-11 fermentation in must treated with Brown and green propolis. African Journal of Microbiology Research, v. 8, n. 39, p. 3515-3522, 2014.

ODELLO, L. et al. Avaliação sensorial da cachaça. Química Nova, v. 32, n. 7, p. 1839-1844, 2009.

OSORIO, V. M.; CARDEAL, Z. L. Analytical methods to assess carbonyl compounds in foods and beverages. Journal of the Brazilian Chemical Society, v. 24, n. 11, p. 1711-1718, 2013.

RAVANELI, G. C. et al. Spittlebug impacts on sugar cane quality and ethanol production. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 46, n. 2, p. 120-129, 2011.

SILVA, G. P.; MACK, M.; CONTIERO, J. Glycerol: a promising and abundant carbon source for industrial microbiology. Biotechnology Advances, v. 27, n. 1, p. 30-39, 2009.

SOUZA, R. A.; HENRIQUE, R. S.; SILVA, M. T. P. Perfil sensorial de cachaças industriais produzidas no sudeste do Brasil safra 2008/2009. Revista Agrotecnologia, v. 4, n. 1, p. 97-108, 2013.

ZACARONI, L. M. et al. Caracterização e quantificação de contaminantes em aguardentes de cana. Química Nova, v. 34, n. 2, p. 320-324, 2011.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.