Produção de porta-enxerto de goiabeira cultivado com águas de diferentes salinidades e doses de nitrogênio

Leandro de Pádua Souza, Reginaldo Gomes Nobre, Evandro Manoel Silva, Hans Raj Gheyi, Lauriane Almeida dos Anjos Soares

Resumo


A escassez de água de boa qualidade e a ocorrência de solos com baixa fertilidade são fatores limitantes para a agricultura irrigada, principalmente em regiões áridas e semiáridas, o que induz a utilização de águas salinas e adubação nitrogenada como alternativas para a produção agrícola nessas regiões. Desse modo, objetivou-se avaliar o crescimento, produção de fitomassa e qualidade de porta-enxerto de goiabeira ‘Crioula’ sob estresse salino e doses de adubação nitrogenada, em condições de ambiente protegido no CCTA/UFCG. O delineamento estatístico foi o de blocos casualizados em esquema fatorial (5 x 4), com quatro repetições. Os tratamentos consistiram da combinação de cinco níveis de condutividade elétrica da água de irrigação (0,3; 1,1; 1,9; 2,7 e 3,5 dS m-1) e quatro doses de nitrogênio (70, 100, 130 e 160% de N da dose recomendada para cultivo de mudas de goiabeira). A dose de 541,1 mg de N dm-3 de solo (70% de N recomendada) estimulou o crescimento, o acúmulo de fitomassa na parte aérea e a qualidade dos porta-enxertos de goiabeira ‘Crioula’. Irrigação com CEa acima de 0,3 dS m-1 afetou negativamente as taxas de crescimento absoluto do diâmetro do caule, fitomassa seca da parte aérea, relação raiz/parte aérea e índice de qualidade de Dickson. A adubação nitrogenada nas doses de 70 e 100% de N recomendada reduziu o efeito da salinidade da água de irrigação sobre a taxa de crescimento relativo do diâmetro do caule de porta-enxertos de goiabeira.

Palavras-chave


Psidium guajava L.; Condutividade elétrica; Nutrição de plantas

Texto completo:

PDF

Referências


AMADO, T. J. C.; MIELNICZUK, J.; AITA, C. Recomendação de adubação nitrogenada para o milho no RS e SC adaptada ao uso de culturas de cobertura do solo, sob sistema plantio direto. Revista Brasileira de Ciência Solo, v. 26, p. 241-248, 2002.

AUGOSTINHO, L. M. D. et al. Marcha de absorção de macro e micronutrientes em mudas de goiabeira ‘Pedro Sato’. Bragantia, v. 67, n. 3, p. 563-568, 2008.

BENINCASA, M. M. P. Análise de crescimento de plantas:, noções básicas. 2. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2003. 41 p.

CAVALCANTE, L. F. et al. Fontes e níveis da salinidade da água na formação de mudas de mamoeiro cv. Sunrise solo. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, p. 1281-1290, 2010a. Suplemento 1.

CAVALCANTE, L. F. et al. Água salina e esterco bovino líquido na formação de mudas de goiabeira cultivar Paluma. Revista Brasileira Fruticultura, v. 32, n. 1, p. 251-261, 2010b.

CAVALCANTE, L. F. et al. Germinação e crescimento inicial de goiaba plantas irrigadas com água salina. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 9, n. 4, p. 515-519, 2005.

CORRÊA, M. C. M. et al. Respostas de mudas de goiabeira a doses e modos de aplicação de fertilizante fosfatado. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 25, n. 1, p. 164-169, 2003.

DIAS, M. J. T. et al. Adubação com nitrogênio e potássio em mudas de goiabeira em viveiro comercial. Ciências Agrárias, v. 33, p. 2837-2848, 2012. Suplemento 1.

DICKSON, A.; LEAF, A. L.; HOSNER, J. F. Quality appraisal of white spruce and white pine seedling stock in nurseries. The Forest Chronicle, v. 36, n. 1, p. 10-13, 1960.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes. 2. ed. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. 628 p.

FAGERIA, N. K.; MOREIRA, A.; COELHO, A. M. Yield and yield components of upland rice as influenced by nitrogen sources. Journal of Plant Nutrition, v. 34, n. 3, p. 361-370, 2011.

FERREIRA, D. F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 6, p. 1039-1042, 2011.

FRANCO, C. F. et al. Curva de crescimento e marcha de absorção de macronutrientes em mudas de goiabeira. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, n. 6, p. 1429-1437, 2007.

FREIRE, A. L. O. et al. Crescimento, acúmulo de íons e produção de tomateiro irrigado com água salina. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, p. 1133-1144, 2010. Suplemento 1.

GOMES, J. M. Parâmetros morfológicos na avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptusgrandis, produzidas em diferentes tamanhos de tubete e de dosagens de N-P-K. 2001. 112 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2001.

GURGEL, M. T. et al. Crescimento inicial de porta enxertos de goiabeira irrigados com águas salinas. Caatinga, v. 20, n. 2, p. 24-31, 2007.

HUNT, D. F.; SHIPLEY, B.; ASKEW, A. P. A modern tool for classical plant growth analysis. Annals of Botany, v. 90, n. 4, p. 485-488, 2002.

JIANG, J. et al. Effect of irrigation amount and water salinity on water consumption and water productivity of spring wheat in Northwest China. Field Crops Research, v. 137, n. 1, p. 78-88, 2012.

LIMA, G. S. et al. Crescimento e componentes de produção da mamoneira sob estresse salino e adubação nitrogenada. Engenharia Agrícola, v. 34, n. 5, p. 854-866, 2014.

MEDEIROS, J. F.; LISBOA, R. A.; OLIVEIRA, M. Caracterização das águas subterrâneas usadas para irrigação na área produtora de melão da Chapada do Apodi. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 7, n. 3, p. 469-472, 2003.

MEDEIROS, P. R. et al. Tolerância da cultura do tomate à salinidade do solo em ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 1, p. 51-55, 2012.

NEVES, A. L. R. et al. Acumulação de biomassa e extração de nutrientes por plantas de feijão-de-corda irrigadas com água salina em diferentes estádios de desenvolvimento. Revista Ciência Rural, v. 39, n. 3, p. 758-765, 2009.

OLIVEIRA, A. F. et al. Interação entre salinidade e fontes de nitrogênio no desenvolvimento inicial da cultura do girassol. Revista Brasileira de Ciência Agrária, v. 5, n. 4, p. 479-484, 2010.

OLIVEIRA, F. T. et al. Fontes orgânicas e volumes de recipiente no crescimento inicial de porta-enxertos de goiabeira. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 7, n. 2, p. 97-103, 2013.

PARIDA, A.; DAS, A. B. Salt tolerance and salinity effects on plants: a review. Ecotoxicology and Environmental Safety, v. 60, n. 3, p. 324-349, 2005.

POORTER, H. Plant growth analysis: towards a synthesis of the classical and the functional approach. Physiologia Plantarum, v. 75, p. 237-244, 1989.

RHOADES, J. D.; KANDIAH, A.; MASHALI, A. M. Uso de águas salinas para produção agrícola. Campina Grande: UFPB, 2000, 117 p. (Estudos FAO. Irrigação e Drenagem, 48).

SILVA, E. C. et al. Physiological responses to salt stress in young umbu plants. Enviromentaland Experimental Botany, v. 63, n. 1/3, p. 147-157, 2008.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 5. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2013. 954 p.

TÁVORA, F. J. A. F.; PEREIRA, R. G.; HERNADEZ, F. F. F. Crescimento e relações hídricas em plantas de goiabeira submetidas a estresse salino com NaCl. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 23, n. 2, p. 441-446, 2001.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.