Costs, viability and risks of organic tomato production in a protected environment

Andrezza da Silva Machado Neto, Niraldo José Ponciano, Paulo Marcelo de Souza, Geraldo de Amaral Gravina, Rogério Figueiredo Daher

Resumo


The aim of this research was to evaluate the agro-economic performance of two table-tomato cultivars (Santa Clara and Siluet), under organic cultivation and in a protected environment. Through the analysis of production costs, economic viability and project risk, it was sought to generate a proposal for agricultural profitability having less socio-environmental impact on family farming. To achieve that, the Operating and Total Production Costs, Net Present Value (NPV) and Internal Rate of Return (IRR) were calculated. A sensitivity analysis and economic risk analysis were then carried out. Both cultivars under consideration presented satisfactory economic indicators for the period being analysed. Judging by the criterion of Net Present Value, almost all discount rates (except for the rates of 10 and 12% for the Santa Clara cultivar) were found to be economically viable, with internal rates of return higher than the annual rate of 6%, the minimum rate of financial attractiveness considered. The sensitivity analysis revealed that price received and productivity have the greatest interference on project profitability, followed by packaging and labour costs. The estimated economic risk was relatively low, with a probability of obtaining a negative NPV of 30.31% in the case of the ‘Santa Clara’, and 4.48% for the ‘Siluet’. It is therefore concluded that the organic production of ‘Siluet’ and ‘Santa Clara’ tomatoes under protected cultivation is an economically viable activity, with emphasis on the agro-economic superiority of the Siluet cultivar.


Palavras-chave


Solanum lycopersicum; Management; Economy; Sustainability

Texto completo:

PDF

Referências


ARÊDES, A. F.; OLIVEIRA, B. V.; RODRIGUES, R. M. Viabilidade econômica da tomaticultura em campos dos Goytacazes. Perspectivas Online, v. 4, n. 16, p. 57-63, jan. 2010.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n° 64, de 18 de dezembro de 2008. Aprova o regulamento técnico para os sistemas orgânicos de produção animal e vegetal. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2015.

BUARQUE, C. Avaliação econômica de projetos. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1991. 266 p.

CARVALHO, C. R. F. et al. Viabilidade econômica e de risco da produção de tomate no município de Cambuci/RJ, Brasil. Ciência Rural, v. 44, n. 12, p. 2293-2299, dez. 2014.

CASTRO NETO, N. de et al. Produção orgânica: uma potencialidade estratégica para a agricultura familiar. Revista Percurso, v. 2, n. 2 , p. 73-95, 2010.

CHANG, J. et al. Does growing vegetables in plastic greenhouses enhance regional ecosystem services beyond the food supply? Frontiers in Ecology and the Environment, v. 11, p. 43-49, 2013.

COSTA NETO, P. L. O. Estatística. São Paulo: Edgard Blücher, 1977. 264 p.

GENUNCIO, G. C. et al. Produção de cultivares de tomateiro em hidroponia e fertirrigação sob razões de nitrogênio e potássio. Horticultura Brasileira, v. 28, n. 4, p. 446-452, 2010.

HENZ, G. P. Desafios enfrentados por agricultores familiares na produção de morango no Distrito Federal. Horticultura Brasileira, v. 28, p. 260-265, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Levantamento sistemático da produção agrícola. Rio de Janeiro, v. 29, n. 2 p. 1-79, fev. 2016.

LIMA, K. K. P. S; CAMPOS, K. C. Viabilidade financeira do tomate convencional e orgânico na região da Serra da Ibiapaba, Ceará. Sociais e Humanas, v. 27, n. 02, p. 26–39, maio/ago. 2014.

LUZ, J. M. Q.; SHINZATO, A. V.; SILVA, M. A. D. da. Comparação dos sistemas de produção de tomate convencional e orgânico em cultivo protegido. Bioscience Journal, v. 23, n. 2, p. 7-15, abr./jun. 2007.

MACHADO NETO, A. da S.; JASMIM, J. M.; PONCIANO, N. J. Indicadores econômicos da produção de flores tropicais no Estado do Rio de Janeiro. Revista Ceres, v. 60, n. 2, p. 173-184, mar./abr. 2013.

MATSUNAGA, M. et al. Metodologia de custo de produção utilizada pelo IEA. Agricultura em São Paulo, v. 23, n. 1, p. 123-139, 1976.

MAYORGA, R. O. et al. Relacionamento de preços no mercado nordestino de tomate. Revista de Economia e Agronegócio, v. 7, p. 77-102, 2009.

NORONHA, J. F. Projetos agropecuários: administração financeira, orçamento e viabilidade econômica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987. 269 p.

REIS, L. S. et al. Índice de área foliar e produtividade do tomate sob condições de ambiente protegido. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 4, p. 386–391, 2013.

SCHALLENBERGER, E. et al. Viabilização de sistema orgânico de produção de tomate por meio de abrigos de cultivo. Revista Brasileira Agrociência, v. 17, n. 1/4, p. 25-31, jan./mar. 2011.

SILVA NETO, W. A. Relação de longo prazo entre os preços do tomate nos estados de São Paulo e Goiás. Informações Econômicas, v. 44, n. 2, mar./abr. 2014.

SIQUEIRA, H. M. de; SOUZA, P. M. de; PONCIANO, N. J. Café convencional versus café orgânico: perspectivas de sustentabilidade socioeconômica dos agricultores familiares do Espírito Santo. Revista Ceres, v. 58, n. 2, p. 155-160, 2011.

SOUZA, J. L. de et al. Embalagens plásticas ameaçam a eficiência energética na produção de hortaliças orgânicas. IDESIA v. 29, n.1, abr. 2011.

TOLEDO, D. S. et al. Production and quality of tomato fruits under organic management. Horticultura Brasileira, v. 29, p. 253-257, 2011.

WOILER, S.; MATHIAS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 304 p.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.