Avaliação da incorporação de galactomanana de Caesalpinia pulcherrima em sorvetes e comparação com estabilizantes comerciais

Antonia Ariana Camelo Passos, Daniele Maria Alves Teixeira Sá, Geórgia Maciel Dias de Morais, Liviany Sampaio da Silva Chacon, Renata Chastinet Braga

Resumo


Com o mercado cada vez mais competitivo e consumidores mais exigentes é de suma importância buscar alternativas mais eficientes e diversificadas para a melhoria da qualidade de sorvetes. Este trabalho teve como objetivo desenvolver sorvetes sabor goiaba utilizando galactomanana de Caesalpinia pulcherrima em substituição a estabilizantes, avaliar suas propriedades e comparar com dois estabilizantes comumente utilizados (goma xantana e super liga neutra). Para caracterizar os sorvetes foram feitas análises de overrun, resistência ao derretimento, umidade, cinzas, proteínas, lipídios, carboidratos, sólidos totais e pH. A qualidade microbiológica foi investigada pelas análises de coliformes a 45 °C/g, Estafilococos coagulase positiva/g e Salmonella sp/25 g. Sensorialmente, foram avaliados a intenção de compra e os atributos sensoriais de cor, aroma, textura, sabor e impressão global. Foram realizadas três formulações de sorvetes, modificando o estabilizante empregado: super liga neutra (T1), galactomanana de C. pulcherrima (T2) e goma xantana (T3). A taxa de derretimento mostrou-se similar até 35 minutos para as três formulações, mostrando-se comportamentos lineares. As amostras de sorvetes apresentaram um bom valor de overrun. Nenhuma das variáveis físico-químicas apresentou diferença estatística entre si. Sensorialmente, a formulação T2 apresentou desempenho semelhante a T1 e T3. No entanto, o sorvete da formulação T3 apresentou no atributo textura uma nota melhor que o estabilizante super liga neutra (T1). Todas as formulações apresentaram altos índices de intenção de compra por parte dos provadores. Todos os sorvetes produzidos apresentaram-se de acordo com a legislação vigente demonstrando que a galactomanana de Caesalpinia pulcherrima pode ser utilizada como substituto aos estabilizantes convencionais.


Palavras-chave


Espessantes; Polissacarídeos; Gelados comestíveis

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 5492: análise sensorial dos alimentos e bebidas. Rio de Janeiro, 2014.

ALVES, L. de L. et al. Aceitação sensorial e caracterização de frozen yogurt de leite de cabra com adição de cultura probiótica e prebiótico. Revista Ciência Rural, Santa Maria, v. 39, n. 9, p. 2595-2600, 2009.

AZERO, E. G.; ANDRADE, C. T. Extração e caracterização da Galactomanana de sementes de Caesalpinia pulcherrima. Revista Polímeros: Ciência e Tecnologia, v. 9, n. 2, p. 54-59, 1999.

BAHRAMPARVAR, M.; TEHRANI, M. M.; RAZAVI, S. M. A. Effects of a novel stabilizer blend and presence of ᵏ-carrageenan on some properties of vanilla ice cream during storage. Food Bioscience, v. 3, p. 10-18, 2013.

BENTO, J. F. et al. Diverse patterns of cell wall mannan/galactomannan occurrence in seeds of the Leguminosae. Carbohydrate Polymers, v. 92, p. 192-199, 2013.

BLIGH, E. G.; DYER, W. J. A rapid method of total lipid extraction and purification. Canadian Journal of Biochemistry and Physiology, v. 37, p. 911-917, 1978.

BOFF, C. C. Desenvolvimento de sorvete de chocolate utilizando fibra de casca de laranja como substituto de gordura. 2011. 59 f. Monografia (Graduação em Engenharia de Alimentos) - Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BRAGA, R. C. et al. Evaluation of Caesalpinia Pulcherrima endospermic gum as affinity matrices for galactose-binding lectins interaction. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 54, n. 2, p. 283-292, 2011.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Legislação. Visa Legis. Resolução RDC nº 12, de 02 de janeiro de 2001. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprova o regulamento técnico sobre padrões microbiológicos para alimentos. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2013.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária (DISPOA). Instrução Normativa n° 62, de 26 de agosto de 2003. Oficializa os Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água. Diário Oficial da União, Brasília, 26 de agosto de 2003. Seção 1. Disponível em:< http://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=75773>. Acesso em: 02 set. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução nº 266, de 22 de setembro de 2005. Regulamento técnico para gelados comestíveis e preparados comestíveis. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 23 set. 2005. Disponível em:< http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/f5d552004a9bdc469832dc4600696f00/Resolucao_RDC_n_266_de_22_de_setembro_de_2005.pdf?MOD=AJPERES >. Acesso em: 02 set. 2013.

BURITI, F. C. A. et al. Characterisation of partially hydrolysed galactomannan from Caesalpinia pulcherrima seeds as a potential dietary fibre. Food Hidrocolloids, v. 35, p. 512-521, 2014.

CASENAVE, C. et al. Model identification and reduction for the control of an ice cream crystallization process. Chemical Engineering Science, v. 119, p. 274-287, 2014.

CERQUEIRA, M. A. et al. Extraction, purification and characterization of galactomannans from non-traditional sources. Carbohydrate Polymers, v. 75, p. 408-414, 2009.

CERQUEIRA, M. A. et al. Structural and thermal characterization of galactomannans from non-conventional sources. Carbohydrate Polymers, v. 83, p. 179-185, 2011.

CORREIA, R. T. P. et al. Sorvetes elaborados com leite caprino e bovino: composição química e propriedades de derretimento. Revista Ciência Agronômica, v. 39, n. 2, p. 251-256, 2008.

ERKAYA, T.; DAGDEMIR, E.; SENGUL, M. Influence of Cape gooseberry (Physalis peruviana L.) addition on the chemical and sensory characteristics and mineral concentrations of ice cream. Food Research International, v. 45, p. 331-335, 2012.

GOFF, H. D. Colloidal aspects of ice cream: a review. International Dairy Journal, v. 7, p. 363-373, 1997.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. 1. ed. São Paulo, 2008.

JIAN, H-L. et al. Characterization of fractional precipitation behavior of galactomannan gums with ethanol and isopropanol. Food Hidrocolloids, v. 40, p. 115-121, 2014.

MUSE, M. R.; HARTEL, R. W. Ice cream structural elements that affect melting rate and hardness. Journal of Dairy Science, v. 87, n. 1, p. 1-10, 2004.

OLIVEIRA, J. S. Efeito da adição de queijo tipo boursin como agente de corpo e textura em sorvete de leite de cabra sabor goiaba. 2012. 51 f. Monografia (Graduação em Tecnologia de Alimentos) - Eixo Tecnológico de Produção Alimentícia. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará, Sobral, 2012.

PATMORE, J. V.; GOFF, H. D.; FERNANDES, S. Cryo-gelation of galactomannans in ice cream model systems. Food Hidrocolloids, v. 17, p. 161-169, 2003.

PAWAR, H. A.; LALITHA, K. G. Isolation, purification and characterization of galactomannans as an excipient from Senna tora seeds. International Journal of Biological Macromolecules, v. 65, p. 167-175, 2014.

PAZIANOTTI, L. et al. Características microbiológicas e físico-químicas de sorvetes artesanais e industriais comercializados na região de Arapongas-PR. Revista Instituto de Laticínio “Cândido Tostes”, v. 65, n. 377, p. 15-20, 2010.

QUEIROZ, H. G. da. S. et al. Avaliação da qualidade físico-química e microbiológica de sorvetes do tipo tapioca. Revista Ciência Agronômica, v. 40, n. 1, p. 60-65, 2009.

SABATINI, D. R. et al. Composição centesimal e mineral da alfarroba em pó e sua utilização na elaboração e aceitabilidade em sorvete. Alimentos e Nutrição, v. 22, n. 1, p. 129-136, 2011.

SANTOS, D. B. et al. Elaboração e análises físico-química, microbiológica e sensorial de sorvete de mandioca de mesa (manihotesculenta, Crantz). Enciclopédia Biosfera, v. 8, n. 15, p. 821-831, 2012.

SILVA, A. O. Elaboração de sorvete e iogurte de leite de cabra com frutos do semiárido. 2012. 102 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2013.

SILVA, V. M. et al. Study of the perception of consumers in relation to different ice cream concepts. Food Quality and Preference, v. 36, p. 161-168, 2014.

SOUKOULIS, C.; LEBESI, D.; TZIA, C. Enrichment of ice cream with dietary fibre: effects on rheological properties, ice crystallisation and glass transition phenomena. Food Chemistry, v. 115, p. 665-671, 2009.

SOUZA, C. F.et al. Caesalpinia ferrea var. ferrea seeds as a new source of partially substituted galactomannan. Carbohydrate Polymers, v. 82, p. 641-647, 2010.

THOMBRE, N. A.; GIDE, P. S. Rheological characterization of galactomannans extracted from seeds of Caesalpinia pulcherrima. Carbohydrate Polymers, v. 94, p. 547-554, 2013.

VARELA, P.; PINTOR, A.; FISZMAN, S. How hydrocolloids affect the temporal oral perception of ice cream. Food Hidrocolloids, v. 36, p. 220-228, 2014.

WARREN, M. M.; HARTEL, R. W. Structural, compositional, and sensorial properties of United States commercial ice cream products. Journal of Food Science, v. 79, n. 10, p. E2005-E2013, 2014.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.