Metodologia para seleção de linhagens de soja visando germinação, vigor e emergência em campo

Cibele Chalita Martins, Sandra Helena Unêda-Trevisoli, Gustavo Vitti Môro, Roberval Daiton Vieira

Resumo


Cultivares de soja com sementes de maior qualidade fisiológica são de interesse para agricultores e empresas de sementes. Assim, objetivou-se com esse estudo verificar a variabilidade genética e as relações existentes entre caracteres das sementes visando identificar testes passíveis de utilização em laboratório para a seleção de linhagens de soja com sementes de maior germinação, vigor e desempenho em campo. Sementes de 62 linhagens avançadas de soja foram caracterizadas quanto ao teste da primeira contagem e germinação, classificação do vigor de plântulas, condutividade elétrica, teste de envelhecimento acelerado, massa de matéria seca de plântulas e emergência de plântulas em campo. O teor de água das sementes foi determinado antes dos testes de avaliação da qualidade e após o envelhecimento acelerado. Os dados experimentais foram submetidos à análise de variância e covariância estimando-se as correlações fenotípicas, genotípicas e ambientais; herdabilidade; coeficiente de variação genética e ganho por seleção. A variabilidade genética dos caracteres avaliados indica que o melhoramento genético pode contribuir significativamente para a melhoria da qualidade fisiológica das sementes de soja. Os testes de envelhecimento acelerado, primeira contagem, germinação e massa de matéria seca de plântulas podem ser utilizados para a seleção de linhagens de soja com sementes de maior vigor e emergência de plântulas em campo. O ganho genético estimado para a germinação e emergência de plântulas em campo é de 20% por ciclo de seleção.

Palavras-chave


Glycine max. Sementes; Testes de vigor; Melhoramento; Herdabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


BIZARI, E. H. et al. Genetic diversity in early-maturing soybean genotypes based on biometric and molecular parameters. International Journal of Food, Agriculture and Environment, v. 12, p. 259-265, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: MAPA: ACS, 2009. 399 p.

BUENO, L. C. S.; MENDES, A. N. G.; CARVALHO, S. P. Melhoramento genético de plantas: princípios e procedimentos. 2. ed. Lavras: UFLA, 2006. 319 p.

CARBONELL, S. A. M.; KRZYZANOWSKI, F. C. The pendulum test for screening soybean genotypes for seeds resistant to mechanical damage. Seed Science and Technology, v. 23, n. 2, p. 331-339, 1995.

CARGNELUTTI FILHO, A.; STORCK, L.; LÚCIO, A. D. Ajustes de quadrado médio do erro em ensaios de competição de cultivares de milho pelo método de Papadakis. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 38, n. 4, p. 467-473, 2003.

CARVALHO, L. F. et al. Influência da temperatura de embebição da semente de soja no teste de condutividade elétrica para avaliação da qualidade fisiológica. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 9-17, 2009.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2012, 590 p.

COIMBRA, R. A. et al. Testes de vigor utilizados na avaliação da qualidade fisiológica de lotes de sementes de milho-doce (sh2). Ciência Rural, v. 39, n. 9, p. 2402-2408, 2009.

CRUZ, C. D.; REGAZZI, A. J. Modelos biométricos aplicados ao melhoramento genético. Viçosa: Editora UFV, 1997. 390 p.

DELLAGOSTIN, M. et al. Dissimilaridade genética em população segregante de soja com variabilidade para caracteres morfológicos de semente. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 4, 2011.

DUTRA, A. S.; VIEIRA, R. D. Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja. Ciência Rural, v. 34, n. 3, p. 715-721, 2004.

GASPAR-OLIVEIRA, C. M. et al. Relationship between pod permeability and seed quality in soybean. Journal of Seed Science, v. 36, n. 3, p. 273-281, 2014.

KRZYZANOWSKI, F. C. et al. Evaluation of lignin content of soybean seed coat stored in a controlled environment. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 220-223, 2008.

KRZYZANOWSKI, F. C. Relationship between seed technology research and federal plant breeding programs. Scientia Agricola, v. 55, p. 83-87, 1998. Número especial.

MAIA, L. G. S. et al . Variabilidade genética associada à germinação e vigor de sementes de linhagens de feijoeiro comum. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 2, p. 361-367, 2011.

MARCOS FILHO, J.; KIKUTI, A. L. P.; LIMA, L. B. D. Métodos para avaliação do vigor de sementes de soja, incluindo a análise computadorizada de imagens. Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 1, p. 102-112, 2009.

MARTINS, C. C.; SILVA, N.; MACHADO, C. G. Testes para a seleção de populações de cenoura visando ao vigor e à longevidade das sementes. Ciência Rural, v. 44, n. 5, p. 768-775, 2014.

OLIVEIRA, S. S. C. et al. Seleção de progênies de nabo-forrageiro para germinação sob altas temperaturas. Ciência Rural, v. 44, n. 2, p. 217-222, 2014.

SILVA, L. B.; MARTINS, C. C. Teste de condutividade elétrica para sementes de mamoneira. Semina: Ciências Agrárias, v. 30, p. 1043-1050, 2009. (Suplemento 1).

TEÓFILO, E. M.; DUTRA, A. S.; DIAS, F. T. C. Potencial fisiológico de sementes de soja produzidas no Estado do Ceará. Revista Ciência Agronômica, v. 38, p. 401-406, 2007.

TORRES, S. B.; BRINGEL, J. M. M. Avaliação da qualidade sanitária e fisiológica de sementes de feijão-macassar. Caatinga, v. 18, n.2, p. 88-92, 2005.

VANZOLINI, S. et al. Teste de comprimento de plântula na avaliação da qualidade fisiológica de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 29, n. 2, p. 90-96, 2007.

VASCONCELOS, E. S. et al. Estimativas de parâmetros genéticos da qualidade fisiológica de sementes de genótipos de soja produzidas em diferentes regiões de Minas Gerais. Semina: Ciências Agrárias, v. 33, n. 1, p. 65-76, 2012.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.