Variabilidade no percentual de tegumento da semente de mamona e sua importância para o melhoramento

Liv Soares Severino, Walker Gomes de Albuquerque, Maria Aline de Oliveira Freire, Jucélia Araújo Gomes, Máira Milani

Resumo


A redução no peso do tegumento em relação ao peso total da semente tem sido usada como estratégia para incremento do teor de óleo em sementes de oleaginosas como o girassol. Com objetivo de quantificar a variabilidade do percentual de tegumento e do peso da semente, assim como a associação entre estas variáveis em dez genótipos de mamona, mediu-se o peso da semente e percentual de tegumento nas cultivares BRS Paraguaçu, BRS Nordestina, BRS Energia, Epaba Ouro, AL Guarani, Mirante 10, Guarany, do híbrido Lyra, da linhagem CNPA 93-168 e de mamoneiras espontâneas de Campina Grande-PB. Utilizaram-se amostras de sementes de 20 g no delineamento inteiramente casualizado com cinco repetições. Observou-se grande variabilidade em ambas as características. O percentual de tegumento variou de 28,80% na cultivar BRS Energia a 21,05% na cultivar Epaba Ouro e o peso da semente variou de 0,852 g na cultivar BRS Paraguaçu a 0,205 g na mamoneira espontânea, havendo correlação negativa entre estas duas variáveis (r2 = -0,77). A grande variabilidade observada no percentual de tegumento entre os genótipos avaliados indica que há possibilidade de se incrementar o teor de óleo da semente de mamona selecionando materiais que tenham menor participação do tegumento no peso total da semente, caminho que foi trilhado por melhoristas de outras espécies oleaginosas.


Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.