Estimativa do vigor das sementes e das plântulas de Bixa orellana L.

Roberta Leopoldo Ferreira, Ana Dionisia da Luz Coelho Novembre

Resumo


A multiplicação de espécies como as da planta de urucum tem limitações em função do conhecimento limitado das características morfológicas e fisiológicas das sementes e das plântulas e da restrição de métodos para determinar a qualidade dessas sementes. Nessa pesquisa, o objetivo foi estudar a adequação do teste de envelhecimento acelerado para estimar o vigor das sementes de urucum (Bixa orellana L.), relacionando os resultados desse teste com a formação das plântulas e as diferenças de genótipo dos acessos genéticos. As sementes de urucum, representadas por quatro acessos genéticos, e por três lotes, foram avaliadas pelos testes de germinação, primeira contagem da germinação, classificação do vigor das plântulas e emergência das plântulas (total e índice de velocidade). No teste de envelhecimento acelerado foram avaliados a temperatura, de 41 ºC, e os períodos, de 48; 72 e 96 horas, de exposição das sementes às umidades relativas de 100% (água) e de 76% (solução saturada de NaCl). A solução saturada reduz a quantidade de água absorvida pelas sementes de urucum, expostas às condições do teste de envelhecimento acelerado, reduzindo a deterioração das sementes, favorecendo a uniformidade dos resultados e a redução da proliferação de fungos, comuns na germinação das sementes de urucum. O teste de envelhecimento acelerado, com água ou solução salina, por 72 horas ou 96 horas, é eficiente para classificar as sementes de urucum quanto à qualidade. Assim, as variações dos teores de água das sementes de urucum devem ser entre 23;6 e 28;9% (72 horas) e 29;7 e 32;9% (96 horas) para a utilização da água e entre 7,3 e 9,5% para a utilização da solução salina de NaCl.


Palavras-chave


Urucum; Acessos genéticos; Solução saturada de NaCl

Texto completo:

PDF

Referências


AMARO, H. T. R. et al. Teste de envelhecimento acelerado em sementes de crambe (Crambe abyssinica Hochst), cultivarFMS Brilhante. Revista Ceres, v. 61, n. 02, p. 202-208, 2014.

ASSOCIATION OF OFFICIAL SEED ANALYSTS. Seed vigor testing handbook. Lincoln: AOSA, 2002. 105 p.

ÁVILA P. F. V. et al. Teste de envelhecimento acelerado para avaliação do potencial fisiológico de sementes de rabanete. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 2, p. 52-58, 2006.

BARBIERI, M. et al. Qualidade fisiológica de sementes Avena strigosa SCHREB. cv. comum submetidas ao envelhecimento acelerado. Revista Monografias Ambientais, v. 13, n. 13, p. 2837-2845, 2013.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária, Regras para análise de sementes. Brasília: SNDA/DNDV/CLAV, 2009, 395p.

CARVALHO, T. C. et al. Envelhecimento acelerado e ocorrência de fungos em duas cultivares de soja. Semina: Ciências Agrárias, v. 32, n. 1, p. 165-172, 2011.

CHEROBINI, E. A. L. et al. Qualidade de sementes e mudas de Schizolobium parahyba procedentes do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Cerne, v. 16, n. 3, p. 407- 413, 2010.

DELOUCHE, J. C., BASKIN, N. C. Accelerated aging techniques for predicting the relative storability of seed lots. Seed Science and Technology, v. 1, n. 1, p. 427-452, 1973.

FANTI, S. C. Efeitos do envelhecimento precoce no vigor de sementes de Chorisia speciosa St. Hil. - Bombacaceae. Revista Árvore, v. 29, n. 3, p. 345-352, 2005.

FLAVIO, J. J. P.; PAULA, R. C. Testes de envelhecimento acelerado e de condutividade elétrica em sementes de Dictyoloma vandellianum A. Juss. Scientia Florestalis, v. 38, n. 87, p. 391-399, 2010.

FRANCO, C. et al. Urucum: sistemas de produção para o Brasil. João Pessoa: EMEPA- PB, 2008. 112 p.

HÖFS A. et al. Efeito da qualidade fisiológica das sementes e da densidade de semeadura sobre o rendimento de grãos e qualidade industrial em arroz. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, n. 2, p. 55-62, 2004.

JIANHUA, Z.; McDONALD, M, D. The saturated salt accelerated aging test for small-seeded crops. Seed Science and Technology, v, 25, n. 1, p. 123-131, 1996.

KIKUTI, A. L. P. et al. Interferência da assepsia em sementes de pimentão submetidas ao teste de envelhecimento acelerado. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 2, p. 44-49, 2005.

KRZYZANOWSKI, F. C. et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218 p.

LAZAROTTO, M. et al. Qualidade fisiológica e tratamentos de sementes de Cedrela fissilis procedentes do Sul do Brasil. Revista Árvore, v. 37, n. 2, p. 201-210, 2013.

LIMA, C. R. et al. Qualidade fisiológica de sementes de diferentes árvores matrizes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz. Revista Ciência Agronômica, v. 45, n. 2, p. 370-378, 2014.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination-aid in relation evaluation for seedling emergence vigor. Crop Science, v, 02, n. 02, p. 176-177, 1962.

PEREIRA, T. S. Caracterização de plântulas de Bixa orellana L., - Urucu (Bixaceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 17, n. 2, p. 234-248, 1995.

ROSSETTO, C. A. V. et al. Envelhecimento acelerado e deterioração controlada em sementes de amendoim. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 8, p. 795-801, 2004.

TEKRONY, D. M. Accelerated aging test.In: HAMPTON, J. G.; TEKRONY, D. M. (Ed.) Handbook of vigour test methods. 3.ed. Zurich: International Seed Testing Association, 1995. p. 35-50.

TORRES S. B.; BEZERRA NETO F. B. Teste de envelhecimento acelerado para avaliação do potencial fisiológico de sementes de urucum. Horticultura Brasileira, v. 27, n. 2, p. 55-58, 2009.

TORRES S. B. Teste de envelhecimento acelerado em sementes de erva-doce. Revista Brasileira de Sementes, v. 26, p. 20-24, 2004.

TORRES, S. B. Envelhecimento acelerado em sementes de pimenta-malagueta (Capsicum frutescens L.) Revista Ciência Agronômica, v. 36, n. 1, p. 98-104, 2005.

TUNES, L. M.; TAVARES, L. C.; BARROS, A. C. S. A. Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de arroz. Revista Ciências Agrárias, v. 35, n. 1, p. 120-127, 2012.

TUNES, L. M. et al. Envelhecimento acelerado modificado para sementes de coentro (Coriandrum sativum L.) e sua correlação com outros testes de vigor. Revista Brasileira de Biociências, v. 9, n. 1, p. 12-17, 2011.

VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. (Eds.) Testes de vigor em sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1994. 164 p.

ZONTA, E. P.; MACHADO, A. A. Sistema de análise estatística para microcomputadores-SANEST. Pelotas, 1984. 109 p.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.