Grão integral processado e coprodutos da soja em dietas para frangos de corte

Elvania Maria da Silva Costa, Agustinho Valente de Figueirêdo, Miguel Arcanjo Moreira Filho, Mabell Nery Ribeiro, Vânia Batista de Sousa Lima

Resumo


Objetivou-se avaliar o desempenho, rendimentos de carcaça e cortes nobres, porcentagem de gordura abdominal e viabilidade econômica em rações para frangos de corte no período de 22 a 42 dias de idade, alimentados com dietas contendo óleo de soja degomado, soja integral extrusada e soja semi-integral extrusada. Foram utilizados 360 frangos de corte, em um delineamento inteiramente casualizado, com quatro tratamentos (ração controle; ração com adição de óleo de soja degomado; ração com adição de soja integral extrusada; ração contendo soja semi-integral extrusada), cinco repetições e 18 aves por boxe. Na fase de 22 a 33 dias de idade, as aves alimentadas com rações contendo soja semi-integral extrusada, apresentaram o menor ganho de peso e índice de eficiência produtiva. No período de 22 a 42 dias de idade, aquelas que receberam a ração controle e ração contendo óleo de soja degomado obtiveram melhor conversão alimentar. Aos 42 dias de idade, os frangos alimentados com a ração controle, tiveram maiores pesos absolutos da carcaça e menor porcentagem de gordura abdominal. Em rações para frangos de corte no período de 22 a 42 dias de idade, a utilização da soja integral extrusada aumenta a gordura abdominal, e a soja semi-integral extrusada prejudica a conversão alimentar, com menor peso absoluto de carcaça e margem bruta. O uso do óleo de soja degomado proporciona melhor conversão alimentar e menor custo de produção das aves, o que viabiliza sua inclusão em rações para estes animais.


Palavras-chave


Avicultura; Extrusão; Óleo

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE RAÇÕES. Matérias-prima para alimentação animal. 4. ed. São Paulo: ANFAR, 1985. 65 p.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS FABRICANTES DE RAÇÕES. Métodos analíticos de controle de alimentos para uso animal. 4. ed. São Paulo: ANFAR, 1992. 58 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura. Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal. Brasília, 1980. 166 p.

CAMPELLO, C. C. et al. Desempenho de frangos de corte em crescimento alimentados com dietas contendo soja integral crua. Ciência Animal, v. 20, n. 2, p. 87-96, 2010.

CARVALHO, A. Á. et al. Digestibilidade aparente de dietas e metabolismo de frangos de corte alimentados com dietas contendo soja integral processada. Ciência Rural, v. 38, n. 2, p. 477-483, 2008.

COSTA, F. G. P. et al. Desempenho de pintos de corte alimentados com rações contendo soja integral extrusada em diferentes temperaturas, durante as fases pré-inicial e inicial. Ciência Animal Brasileira, v. 7, n. 1, p. 11-16, 2006.

DALLMANN, H.M. et al. Desempenho de frangos de corte alimentados com ingrediente de alta digestibilidade nas fases de criação pré-inicial e inicial. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 45, n. 9, p. 944-951, 2010.

DUARTE, F. D. et al. Efeito da inclusão de diferentes fontes lipídicas em dietas para frangos de corte sobre o desempenho, rendimento e composição da carcaça. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 62, n. 2, p. 439-444, 2010.

GARCIA, E. R. de. M. et al. Efeito da suplementação enzimática em rações com farelo de soja e soja integral extrusada sobre a digestibilidade de nutrientes, o fluxo de nutrientes na digesta ileal e o desempenho de frangos. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n. 5, p. 1414-1426, 2000.

LAGANÁ, C. Influência de altas temperaturas na alimentação de frangos de corte. Pesquisa & Tecnologia, v. 5, n. 2, p. 1-9, 2008. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2013.

LARA, M. R. de. et al. Rendimento, composição e teor de ácidos graxos da carcaça de frangos de corte alimentados com diferentes fontes lipídicas. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 58, n. 1, p. 108-115, 2006.

LIMA, M. R. de. et al. Atividade ureática. Revista Eletrônica Nutritime, v. 08, n. 05, p. 1606-1611, 2011. Disponível em:

OLIVEIRA, F. N. de. et al. Desempenho de frangos de corte nas fases de crescimento e final alimentados com rações contendo soja integral extrusada em diferentes temperaturas. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 34, n. 6, p. 1950-1955, 2005.

RABER, M. R. et al. Desempenho, metabolismo e níveis plasmáticos de colesterol e triglicerídeos em frangos de corte alimentados com óleo ácido e óleo de soja. Ciência Rural, v. 38, n. 6, p. 1730-1736, 2008.

ROSTAGNO, H. S. et al. Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais. 3. ed. Viçosa, MG: UFV, 2011. 252 p.

SAKOMURA, N. K. et al. Efeito da idade dos frangos de corte sobre a atividade enzimática e digestibilidade dos nutrientes do farelo de soja e da soja integral. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 33, n. 4, p. 924-935, 2004.

SAS INSTITUTE. Statistical Analysis Systems User’s Guide: statistics. 2. ed. version 9.0. Carry, NC, USA: SAS Institute, 2002.

STRINGHINI, J. H. et al. Desempenho, balanço e retenção de nutrientes e biometria dos órgãos digestivos de frangos de corte alimentados com diferentes níveis de proteína na ração pré-inicial. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 35, n. 6, p. 2350-2358, 2006.

TOGASHI, C. K. Teores de colesterol e ácidos graxos em tecidos e soro de frangos de corte submetidos a diferentes programas nutricionais. 2004. 97f. Tese (Doutorado em Zootecnia) - Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Rio de Janeiro, 2004.

UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA. Norma Técnica de Produção Integrada de Frango. São Paulo: UBA, 2009. 64p. Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2013.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.