Persistência de herbicidas dessecantes aplicados em milho transgênico sobre Trichogramma pretiosum Riley, 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae)

Rafael Antonio Pasini, Anderson Dionei Grützmacher, Daniel Spagnol, Ronaldo Zantedeschi, Felipe Freire Friedrich

Resumo


O milho é um dos cereais mais cultivados no mundo e para a obtenção de altas produtividades é imprescindível o controle adequado das plantas daninhas. Contudo, a utilização de herbicidas pode comprometer os efeitos benéficos da ação dos inimigos naturais, entre eles o parasitoide de ovos Trichogramma pretiosum. O objetivo deste trabalho, foi estimar a duração da atividade nociva de herbicidas dessecantes aplicados em milho transgênico ao parasitoide T. pretiosum através de testes de persistência. Foram realizados bioensaios em laboratório, expondo-se os adultos do parasitoide aos resíduos dos herbicidas, utilizando-se as metodologias propostas pela “International Organization for Biological Control of Noxious Animals and Plants” (IOBC). Os herbicidas foram pulverizados sobre as folhas das plantas de milho transgênico, que foram levadas ao laboratório para a confecção de gaiolas de exposição, onde adultos de T. pretiosum foram expostos aos 3; 10; 17; 24 e 31 dias após esta aplicação. Foi utilizado o delineamento inteiramente casualizado, com quatro repetições para cada tratamento. A redução do parasitismo em relação à testemunha foi utilizada para classificar os agrotóxicos quanto à seletividade e, posteriormente quanto à persistência. Os herbicidas dessecantes à base de sal de isopropilamina (Glifosato® Atanor 48, Gli-Up® 480 SL, Roundup® Original, Roundup® Transorb, Roundup® WG, Shadow® 480 SL, Stinger® e Trop®), sal de potássio (Zapp® Qi 620) e de sal de amônio (Finale®) foram considerados de vida curta, tendo menos de cinco dias de atividade nociva sobre o parasitoide. Assim, liberações inundativas de T. pretiosum podem ser realizadas aos três dias após pulverização destes herbicidas dessecantes.


Palavras-chave


Controle biológico; Controle químico; Parasitoide de ovos; Zea mays

Texto completo:

PDF

Referências


AGROFIT Sistema de agrotóxicos fitossanitários. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2013.

BERNARD, M. B. et al. Reducing the impact of pesticides on biological control in australian vineyards: pesticide mortality and fecundity effects on an indicator species, the predatory mite Euseius victoriensis (Acari: Phytoseiidae). Journal of Economic Entomology, v. 103, n. 6, p. 2061-2071, 2010.

CANCELLIER, L. L. et al. Desempenho de populações de milho para produção de grãos e consumo in natura no Estado de Tocantins. Revista Ciência Agronômica, v. 42, n. 2, p. 542-553, 2011.

CARVALHO, L. B. et al. Estudo comparativo do acúmulo de massa seca e macronutrientes por plantas de milho var. BR-106 e Brachiaria plantaginea. Planta Daninha, v. 25, n. 2, p. 293-301, 2007.

COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira: grãos: safra 2013/14: segundo levantamento. 2013. 71 p. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2013.

DAN, H. A. et al. Controle de plantas daninhas na cultura do milho por meio de herbicidas aplicados em pré-emergência. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 40, n. 4, p. 388-393, 2010.

DEQUECH, S. T. B. et al. Population fluctuation of Spodoptera frugiperda eggs and natural parasitism by Trichogramma in maize. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 35, n. 3, p. 295-300, 2013.

FORESTI, J. et al. Biologia, seleção e avaliação de linhagens de Trichogramma spp. para o controle da lagarta-da-espiga em milho semente. EntomoBrasilis, v. 5, n. 1, p. 43-48, 2012.

GAVRILESCU, M. Fate of pesticides in the environment and its bioremediation. Engineering in Life Sciences, v. 5, n. 6, p. 497-526, 2005.

GIOLO, F. P. et al. Persistência de agrotóxicos indicados na produção integrada de pêssego a Trichogramma pretiosum Riley, 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Revista Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 1, p. 122-126, 2008.

GIOLO, F. P. et al. Seletividade de formulações de glyphosate a Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Planta Daninha, v. 23, n. 3, p. 457-462, 2005.

GIOLO, F. P. et al. Seletividade de glyfosate à Trichogramma - efeito indesejado. Cultivar Grandes Culturas, v. 82, p. 34-36, 2006.

HASSAN, S. A. et al. A laboratory method to evaluate the side effects of plant protection products on Trichogramma cacoeciae Marchal (Hym., Trichogrammatidae). In: CANDOLFI, M. P. et al. Guidelines to evaluate side-effects of plant protection products to non-target arthropods. Reinheim: IOBC-WPRS, 2000. p.107-119.

HASSAN, S. A.; ABDELGADER, H. A sequential testing program to assess the effects of pesticides on Trichogramma cacoeciae Marchal (Hym., Trichogrammatidae). IOBC-WPRS Bulletin, v. 24, n. 4, p. 71-81, 2001.

HETHERINGTON, P. R. et al. The absorption, translocation and distribution of the herbicide glyphosate in maize expressing the CP-4 transgene. Journal of Experimental Botany, v. 50, n. 339, p. 1567-1576, 1999.

MANZONI, C. G. et al. Seletividade de agroquímicos utilizados na produção integrada de maçã aos parasitoides Trichogramma pretiosum Riley e Trichogramma atopovirilia Oatman & Platner (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Bioassay, v. 2, n. 1, p. 1-11, 2007.

MANZONI, C. G. et al. Seletividade de agrotóxicos usados na produção integrada de maçã para adultos de Trichogramma pretiosum. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n. 10, p. 1461-1467, 2006.

MONQUERO, P. A. Plantas transgênicas resistentes aos herbicidas: situação e perspectivas. Bragantia, v. 64, n. 4, p. 517-531, 2005.

NÖRNBERG, S. D. et al. Persistência de agrotóxicos utilizados na produção integrada de maçã a Trichogramma pretiosum. Ciência e Agrotecnologia, v. 35, n. 2, p. 305-313, 2011.

POLANCZYK, R. A. et al. Influência da densidade de ovos de Diaphania hyalinata (L.) (Lepidoptera: Crambidae) na capacidade de parasitismo de Trichogramma exiguum Pinto & Platner e Trichogramma pretiosum Riley (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Neotropical Entomology, v. 40, n. 2, p. 238-243, 2011.

R Core Team. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2012. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2013.

ROCHA, L. C. D.; CARVALHO, G. A. Adaptação da metodologia padrão da IOBC para estudos de seletividade com Trichogramma pretiosum Riley, 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae) em condições de laboratório. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 26, n. 3, p. 315-320, 2004.

RODRIGUES, L. R.; SILVA, P. R. F. (Org.). Indicações técnicas para o cultivo do milho e do sorgo no Rio Grande do Sul: safras 2011/2012 e 2012/2013. In: REUNIÃO TÉCNICA ANUAL DE MILHO, 56., REUNIÃO TÉCNICA ANUAL DE SORGO, 39., 2011, Ijuí. Anais... Ijuí: Emater: Fepagro, 2011. 140 p.

RODRIGUES, M. J. et al. Épocas da adubação nitrogenada relacionada à aplicação de nicosulfuron na cultura do milho. Global Science And Technology, v. 5, n. 1, p. 70–77, 2012.

SEBAI, O. A. E.; El-TAWIL, M. F. Side-effect of certain herbicides on egg parasitoid Trichogramma evanescens (West.) (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Academic Journal of Entomology, v. 5, n. 1, p. 1-10, 2012.

SOARES, M. A. et al. Quality control of Trichogramma atopovirilia and Trichogramma pretiosum (Hym.: Trichogrammatidae) adults reared under laboratory conditions. Brazilian Archives of Biology And Technology, v. 55, n. 2, p. 305-311, 2012.

STEFANELLO JÚNIOR, G. J. et al. Persistência de agrotóxicos utilizados na cultura do milho ao parasitoide Trichogramma pretiosum Riley, 1879 (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Ciência Rural, v. 42, n. 1, p. 17-23, 2012.

STEFANELLO JÚNIOR, G. J. et al. Seletividade de herbicidas registrados para a cultura do milho a adultos de Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Planta Daninha, v. 26, n. 2, p. 343-351, 2008.

STEFANELLO JÚNIOR, G. J. et al. Seletividade de herbicidas registrados para a cultura do milho aos estádios imaturos de Trichogramma pretiosum (Hymenoptera: Trichogrammatidae). Planta Daninha, v. 29, p. 1069-1077, 2011.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.