Associação de fungicidas no controle da antracnose da soja no Mato Grosso do Sul

Afonso da Silva Pesqueira, Lilian Maria Arruda Bacchi, Walber Luiz Gavassoni

Resumo


A soja é um produto agrícola mundial, justificando investimentos para reduzir fatores adversos à sua produção como a antracnose causada por Colletotrichum truncatum. Três experimentos foram conduzidos com o objetivo de avaliar o controle da antracnose por fungicidas, isolados ou em associação, na parte aérea da soja em duas épocas de semeadura na safra 2011/12 nas condições de Dourados e Maracaju (MS). O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados com cinco repetições. Os tratamentos foram: testemunha, carbendazim 250 g a.i. ha-1,  piraclostrobina 66,5 g i.a. ha-1 + epoxiconazol 25 g i.a. ha-1, picoxistrobina 60 g i.a. ha-1 + ciproconazol 24 g i.a. ha-1, carbendazim 250 g i.a. ha-1 + piraclostrobina 66,5 g i.a. ha-1 + epoxiconazol 25 g i.a. ha-1 e carbendazim 250 g i.a. ha-1 + picoxistrobina 60 g i.a.ha-1 + ciproconazol 24 g i.a.ha-1. Duas aplicações de fungicidas foram realizadas, a primeira no momento da detecção da doença no estádio R2 de desenvolvimento e a segunda 19 dias após. Foi avaliada a incidência e severidade média, desfolha, altura de plantas, altura da inserção da primeira vagem, número de vagens, produtividade e massa de mil grãos. Foi realizada a patologia de sementes com enfoque na incidência de C. truncatum. O uso de carbendazim, isolado ou em mistura, controlou a antracnose da soja na parte aérea e em sementes. A aplicação de fungicidas proporcionou redução na desfolha, menor porcentagem de pecíolos doentes, maior número de vagens, maior altura de plantas e ganhos na produtividade. Carbendazim + ciproconazol + picoxistrobina apresentou esporadicamente maior controle do que carbendazim isolado.

Palavras-chave


Colletotrichum truncatum; Glycine max; Doença

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMI, P. et al. Eficiência de fungicidas no controle da antracnose (Colletotrichum dematium var. truncata) da soja (Glicine max). Sinergismus scyentifica UTFPR, Pato Branco, v. 1, p. 22-28, 2006.

ALMEIDA, A. M. R. et al. Doenças da soja. In: KIMATI, H. et al. (Ed.). Manual de Fitopatologia, v. 2. Doenças de plantas cultivadas. São Paulo: Agronômica Ceres, p. 642-664. 1997.

ALMEIDA, R. D. Divergência genética entre cultivares de soja e correlações entre suas características, sob condições de várzea irrigada, no sul do Tocantins. 2008. 59 f. Dissertação (Mestrado em Produção Vegetal) - Universidade Federal de Tocantins, Gurupi, 2008.

BEGUM, M. M. et al. Pathogenicity of Colletotrichum truncatum and its influence on soybean seed quality. International Journal of Agriculture and Biology, v. 10, n. 4, p. 393-398, 2008.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Agrofit: sistema de agrotóxicos fitossanitários. 2012. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2012.

CASSETARI NETO, D. et al. Avaliação de fungicidas no controle de doenças em soja no Mato Grosso. Fitopatologia Brasileira, v. 26, p. 334, 2001. Suplemento.

DANELLI, A. L. et al. Qualidade sanitária e fisiológica de sementes de soja em função do tratamento químico de sementes e foliar no campo. Ciencia y Tecnología, v. 4, n. 2, p. 29-37, 2011.

GALLI, J. A. et al. Efeito de Colletotrichum dematium var. truncata e Cercospora kikuchii na germinação de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 2. p. 182-189, 2005.

GEHLEN, I. Pesquisa, tecnologia e competitividade na agropecuária brasileira. Sociologias, v. 3, n. 6, p. 70-93, 2001.

GODOY, C. V. et al. Diagrammatic scales for bean diseases: development and validation. Journal of Plant Diseases and Protection, v. 104, n. 4, p. 336-345, 1997.

GOULART, A. C. P.; PAIVA, F. A.; ANDRADE, P. J. M. Qualidade sanitária de sementes de soja (Glycine max (l.) Merrill) produzidas no Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Sementes, v. 17, n. 1, p. 42-46, 1995.

KOLLER, W. Chemical approaches to managing plant pathogens. In: RUBERSON, J. R. (Ed.). Handbook of Intergrated Pest Management. New York: Dekker, 1998. p. 1-38.

MANANDHAR, J. B.; HARTMAN, G. L. Anthracnose. In: HARTMAN, G. L.; SINCLAIR, J. B.; RUPE, J. C. (Ed.) Compendium of soybean diseases. 4 ed., Minnesota: APS, p. 13-14, 2008.

MARCHIORI, L. F. S. et al. Desempenho vegetativo de cultivares de soja [Glycine max (L.) Merrill] em épocas normal e safrinha. Scentia Agricola, v. 56, n. 2, p. 383-390, 1999.

NEERGAARD, P. Seed Pathology. London: The MacMillan Press, 1979, v. 1, 839 p.

PEREIRA, C. E. et al. Tratamento fungicida de sementes de soja inoculadas com Colletotrichum truncatum. Ciência Rural, v. 39, n. 9, p. 2390-2395, 2009.

RANGEL, L. E. P. De acordo com o Decreto 4074, de 04 de janeiro de 2002, de acordo com os ofícios nºs 1059/12/GGTOX (Gerência Geral de Toxicologia) de 17 de setembro de 2012, of. 1208/12/GGTOX (Gerência Geral de Toxicologia), de 08 de outubro de 2012, suspende o Informe de Avaliação Toxicológica, rótulo e bula do produto Locker registro nº 14211. Diário Oficial da União, São Paulo, 09 out. 2012. Ato n. 53, p. 82, c. 1.

RODRIGUES, M. B. C. et al. Resistência a benzimidazóis por Guignardia citricarpa. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 3, p. 323-327, 2007.

SINCLAIR, J. B.; HARTMAN, G. L. Soybean diseases. In: HARTMAN, G. L.; SINCLAIR, J. B.; RUPE, J. C. (Ed.). Compendium of soybean diseases. 4 ed., Minnesota: APS, p. 3-4, 2008.

WRATHER, J. A.; KOENNING, S. R. Effects of diseases on soybean yields in the United States 1996 to 2007. Plant Health Progress, St. Paul MN, USA, abr. 2009. Disponível em: Acesso em: 25 jul. 2012.

YORINORI, J. T. Doenças da soja no Brasil. In: FUNDAÇÃO CARGILL. Soja no Brasil Central. Campinas: Fundação Cargill, 1996. p. 301-363.

YORINORI, J. T. et al. Ferrugem da soja (Phakopsora pachyrhizi): identificação e controle. Informações Agronômicas, n. 104, p. 4, 2003.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.