Estaquia caulinar herbácea e semilenhosa de Drimys brasiliensis

Luciele Milani Zem, Arthur Hermann Weiser, Katia Christina Zuffellato-Ribas, Maria Izabel Radomski

Resumo


Drimys brasiliensis conhecida como cataia, é uma espécie arbórea nativa da Mata Atlântica. Tem importância fitoquímica, fitoterapêutica, aromática e econômica, utilizada na fabricação de licores, condimentos, dentre outros. É considerada uma espécie de difícil multiplicação via sementes, apresentando dormência por imaturidade embrionária. Assim, objetivou-se estudar a propagação vegetativa por meio da indução do enraizamento de estacas herbáceas e semilenhosas submetidas a diferentes concentrações de ácido indolbutírico (IBA), coletadas em duas épocas do ano (junho/2011 e dezembro/2011). Foram utilizados os tratamentos: testemunha (100% água), 0 (50% água e 50% álcool); 1.500; 3.000 e 6.000 mg L-1 IBA (em solução hidroalcoólica 50%) para o inverno e, no verão, os mesmos tratamentos, exceto 0 mg L-1 IBA. Foi conduzido um experimento em delineamento inteiramente casualizado, em esquema fatorial de 5 concentrações x 2 tipos de estacas em junho/2011; e outro experimento com 4 concentrações x 2 épocas de coleta (estacas de junho/2011 e estacas de dezembro/2011) Após 120 dias em casa de vegetação, avaliou-se a porcentagem de estacas enraizadas, número de raízes/estaca, comprimento médio de raízes/estaca, porcentagem estacas vivas, com calos, mortas, com novas brotações e que mantiveram as folhas iniciais. A aplicação de IBA não influenciou nenhuma das variáveis estudadas. Estacas herbáceas apresentaram melhor enraizamento (46,75%) quando comparadas às semilenhosas (34,44%). A coleta realizada em dezembro/2011 apresentou maior número de raízes/estaca (5,47) porém maior mortalidade (29,05%) que em junho/2011 (4,25 e 12,19%, respectivamente). Sendo assim, para o enraizamento de cataia é indicada a utilização de estacas caulinares herbáceas, coletadas em épocas frias.


Palavras-chave


Plantas; Efeito do ácido indolbutírico; Enraizamento; Estações do ano

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, D. C. A. de et al. Caracterização morfológica de frutos e sementes de cataia (Drimys brasiliensis Miers. - Winteraceae). Revista Brasileira de Sementes, v. 27, n. 2, p. 67-74, 2005.

BACKES, P.; IRGANG, B. Árvores do sul: guia de identificação e interesse ecológico. Instituto Souza Cruz, 2002.

BASTOS, D. C. et al. Enraizamento de estacas lenhosas e herbáceas de cultivares de caquizeiro com diferentes concentrações de ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 27, n. 1, p. 182-184, 2005.

BASTOS, D. C. et al. Tipo de estaca e concentração de ácido indolbutírico na propagação de lichieira. Ciência Agrotecnológica, v. 30, n. 1, p. 97-102, 2006.

BORTOLINI, M. F. et al. Tibouchina sellowiana (Cham.) Cogn.: Enraizamento, anatomia e análises bioquímicas nas quatro estações do ano. Ciência Florestal, v. 18, n. 2, p. 159-171, 2008.

BORTOLINI, M. F. et al. Enraizamento de estacas caulinares de quatro espécies do gênero Tibouchina Aulb. (Melastomataceae Juss.). Revista Brasileira de Horticultura Ornamental, v. 14, n. 2, p. 187-192, 2009.

BOTELHO, R. V. et al. Efeitos de reguladores vegetais na propagação vegetativa do porta-enxerto de videira ´43-43‘(Vitis vinifera x V. rotundifolia). Revista Brasileira de Fruticultura, v. 27, n. 1, p. 6-8, 2005.

FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; NACHTIGAL, J. C. Propagação de plantas frutíferas. Brasília: Embrapa Informações Tecnológicas, 2005. 221 p.

FARIA, A. P. et al. Enraizamento de estacas semilenhosas do porta-enxerto de videira ‘IAC 572-Jales’tratadas com diferentes concentrações de ácido indolbutírico. Semina: Ciências Agrárias, v. 28, n. 3, p. 393-398, 2007.

FERREIRA, B. G. A. et al. Metodologias de aplicação de AIB no enraizamento de estacas semilenhosas de Sapium glandulatum (Vell.) Pax. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 11, n. 2, p. 196-201, 2009.

FISCHER, D. L. O. et al. Efeito do ácido indolbutírico e da cultivar no enraizamento de estacas lenhosas de mirtilo. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 30, n. 2, p. 285-289, 2008.

HARTMANN, H. T. et al. Plant propagation: principles e practices. 8. ed. Boston: Prentice Hall, 2011. 915 p.

KIBBLER, H.; JOHNSTON, M. E.; WILLIAMS, R. R. Adventitious root formation in cuttings of Backhousia citriodora F. Muell: 2- seasonal influences of temperature rainfall, flowering and auxins on the stock plant. Scientia Horticulturae, v. 102, n. 3, p. 343-358, 2004.

MALHEIROS, A et al. Atividade antifúngica de sesquiterpenos drimane de Drimys brasiliensis utilizando biomonitorado. Pharm Sci Pharmaceut, v. 8, n. 2, p. 335-339, 2005.

NEVES, T. dos S. et al. Enraizamento de corticeira-da-serra em função do tipo de estaca e variação sazonal. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 41, n. 12, p. 1699-1705, 2006.

NIENOW, A. A. et al. Enraizamento de estacas de Quaresmeira em duas épocas e concentrações de ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Agrociência, v. 16, n. 1/4, p. 139-142, 2010.

OHLAND, T. et al. Enraizamento de estacas apicais de figueira ‘Roxo de Valinhos’ em função de época de coleta e AIB. Ciência e Agrotecnologia, v. 33, n. 1, p. 74-78, 2009.

PIVETTA, K. F. L. et al. Época de coleta e ácido indolbutírico no enraizamento de estacas de espirradeira (Nerium oleander N.). Revista Árvore, v. 36, n.1, p. 17-23, 2012.

SIMÕES, C. M. O. et al. Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1986. 147 p.

SOTO, L. E. et al. Efecto de diferentes dosis de AIB sobre el enraizamiento de Ficus benjamina L. en diferentes épocas del año. Ra Ximhai, v. 2, n. 3, p. 795-814, 2006.

SOUZA, C. M. et al. Effects of auxin and misting on the rooting of herbaceous and hardwood cuttings from the fig tree. Revista Ciência Agronômica, v. 44, n. 2, p. 334-338, 2013.

TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. 719 p.

TOSTA, M. S. et al. Ácido indolbutírico na propagação vegetativa de cajaraneira. (Spondias sp). Semina: Ciências Agrárias, v. 33, p. 2727-2740, 2012. Suplemento.

TRINTA, E. F.; SANTOS, E. Flora Ilustrada Catarinense. Itajaí: BR Petrobras, 1997. 19 p.

VILLA, F. et al. Enraizamento de estacas herbáceas do porta-enxerto de videira ‘Riparia de Traviú’ tratadas com auxinas. Ciência e agrotecnologia, v. 27, n. 6, p. 1426-1431, 2003.

ZIETEMANN; C.; ROBERTO, S. R. Efeito de diferentes substratos e épocas de coleta no enraizamento de estacas herbáceas de goiabeira, cvs. Paluma e Século XXI. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 29, n. 1, p. 031-036, 2007.

ZUFFELLATO-RIBAS, K. C. et al. Enraizamento de estacas de amorinha-branca (Rubus imperialis Cham.& Schlecht.) submetidas à tratamentos com auxinas sintéticas. Cultura Agronômica, v. 11, n. 1, p. 67-80, 2002.

ZUFFELLATO-RIBAS, K. C.; RODRIGUES, J. D. Estaquia: uma abordagem dos principais aspectos fisiológicos. Curitiba: [K. C. Zuffellato-Ribas], 2001. 39 p.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.