Qualidade fisiológica de sementes de diferentes árvores matrizes de Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz

Cosmo Rufino de Lima, Riselane de Lucena Alcântara Bruno, Katiane da Rosa Gomes da Silva, Mauro Vasconcelos Pacheco, Edna Ursulino Alves

Resumo


A catingueira [Poincianella pyramidalis (Tul.) L. P. Queiroz] é uma espécie arbórea endêmica do bioma Caatinga, bastante explorada devido ao seu potencial madeireiro, forrageiro e farmacológico. Face à relevância de sua importância, este trabalho teve o objetivo de avaliar a qualidade fisiológica das sementes entre matrizes de P. pyramidalis por meio de testes fisiológicos para fins de restauração ambiental. O estudo de campo foi conduzido na Fazenda Açude, município de Soledade-PB, onde foram selecionados 28 matrizes de catingueira, sendo as análises, realizadas no Laboratório de Análise de Sementes do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal da Paraíba. Foram avaliadas as seguintes variáveis: teor de água, peso de mil sementes, número de sementes por quilograma, germinação, vigor {primeira contagem e índice de velocidade de germinação, comprimento e massa seca de plântulas, emergência, índice de velocidade e primeira contagem de emergência, envelhecimento acelerado (procedimento tradicional e solução saturada de NaCl)}. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado, com os dados submetidos à análise de variância e a comparação entre as médias realizadas pelo teste de Scott-Knott a 5% de probabilidade. Com base nos resultados, a qualidade fisiológica das sementes de Poincianella pyramidalis varia mesmo quando oriundas de matrizes de uma única área de coleta; o teste de envelhecimento acelerado, utilizado no método tradicional, no período de 24 horas e à temperatura de 41 °C mostra ser o teste de vigor mais eficiente na avaliação do potencial fisiológico das sementes de P. pyramidalis.

Palavras-chave


Vigor; Caatinga; Semiárido; Catingueira

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS5 2009. 395 p.

BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instruções para análise de sementes de espécies florestais, de 17 de janeiro de 2013, Brasília: MAPA, 2013. 98 p.

DAVIDE, A. C.; SILVA, E. A. A. Produção de sementes e mudas de espécies florestais. Lavras: Ed. UFLA, 2008. 174 p.

DUTRA, A. S.; VIEIRA, R. D. Envelhecimento acelerado como teste de vigor para sementes de milho e soja. Ciência Rural, v. 34, n. 3, p. 715-721, 2004.

GARCIA, L. C.; NOGUEIRA, A. C.; ABREU, D. C. A. Influência do envelhecimento acelerado no vigor de sementes de Anadenanthera colubrina (Vellozo) Brenan - Mimosaceae. Ciência Florestal, v. 14, n. 1, p. 85-90, 2004.

GUEDES, R. S. et al. Resposta fisiológica de sementes de Erythrina velutina Willd. ao envelhecimento acelerado. Semina: Ciências Agrárias, v. 30, n. 2, p. 323-330, 2009.

HIGA, A. R.; SILVA, L. D. Pomar de sementes de espécies florestais nativas. Curitiba, PR - FUPEF. 2006.

JIANHUA, Z.; McDONALD, M. D. The saturated salt accelerated aging test for small-seeded crops. Seed Science and Technology, v. 25, n. 1, p. 123-131, 1996.

LAMARCA, E. V.; LEDUC, S. N. M.; BARBEDO, C. J. Viabilidade e vigor de sementes de Caesalpinia echinata Lam. (pau-brasil - Leguminosae) pelo teste de tetrazólio. Revista Brasileira de Botânica, v. 32, n. 4, p. 793-803, 2009.

LIMA, C. B. et al. Germinação e envelhecimento acelerado na análise da qualidade fisiológica de sementes de alfavaca-cravo. Semina: Ciências Agrárias, v. 32, n. 3, p. 865-874, 2011.

LIMA, C. R. et al. Temperaturas e substratos na germinação de sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 2, p. 216-222, 2011.

MAGUIRE, J. D. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigour. Crop Science, v. 2, n. 2, p. 176-177, 1962.

MAIA, G. N. Catingueira. In: MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: Leitura e Arte, 2004. p. 159-169.

MARCOS FILHO, J. Testes de vigor: importância e utilização. In: KRZYZANOWSKI, F.C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA-NETO, J. B. (eds.). Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: Abrates, 1999. p. 1.1-1.21.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p.

NAKAGAWA, J. Testes de vigor baseados na avaliação das plântulas. In: VIEIRA, R. D.; CARVALHO, N. M. Testes de Vigor em Sementes. Jaboticabal: FUNEP, 1999. p. 49-85.

OLIVEIRA, O. S. Tecnologia de sementes florestais. Curitiba: Imprensa Universitária, 2007. 185p.

PASSOS, M. A. A. et al. Luz, substrato e temperatura na germinação de sementes de cedro-vermelho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 43, n. 2, p. 281-284, 2008.

PEDROSO, D. C. et al. Envelhecimento acelerado em sementes de trigo. Ciência Rural, v. 40, n. 11, p. 2389-2392, 2010.

PEREIRA, M. D.; MARTINS FILHO, S. Envelhecimento acelerado em sementes de cubiu (solanum sessiliflorum Dunal). Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 40, n. 3, p. 251-256, 2010.

ROSSETO, C. A. V.; LIMA, T. M.; GUIMARAES, E. C. Envelhecimento acelerado e deterioração controlada em sementes de amendoim. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 8, p. 795-801, 2004.

SANTOS, F. S. et al. Biometria e qualidade fisiológica de sementes de diferentes matrizes de Tabebuia chrysotricha (Mart. Ex A. DC.) Standl. Scientia Forestalis, v. 37, n. 82, p. 163-173, 2009.

SILVA, C. B. et al. Teste de envelhecimento acelerado para avaliação do potencial fisiológico em sementes de grama bermuda. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 2, p. 102-107, 2010.

TORRES, S. B.; NEGREIROS, M. Z. Envelhecimento acelerado em sementes de berinjela. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 2, p. 209-213, 2008.

TUNES, L. M. et al. Envelhecimento acelerado em sementes de azevém com e sem solução salina e saturada. Ciência Rural, v. 41, n. 1, p. 33-37, 2011.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.