Qualidade de frutos de tomateiro cultivado em sistema de produção orgânico e tratados com subprodutos de capim limão

José dos Santos Neto, Kátia Regina Freitas Schwan-Estrada, José Ozinaldo Alves de Sena, Virlene do Amaral Jardinetti, Marianna dos Santos Rodrigues Alencar

Resumo


Considerando a necessidade de alternativas que sejam eficientes e mais sustentáveis no tratamento pós-colheita, o presente trabalho teve como objetivo avaliar a interferência de subprodutos de Cymbopogon citratus aplicados à campo, em sistema orgânico de produção, na qualidade pós-colheita de tomate tipo italiano, comparando-os a frutos obtidos de sistema convencional. Os tratamentos aplicados na pré-colheita foram: Extrato aquoso bruto de C. citratus a 1%, 5%, 10% e 15%, Óleo essencial de C. citratus a 10 µL L-1, 100 µL L-1, 200 µL L-1 e 400 µL L-1, Citral a 10 µL L-1, 100 µL L-1, 200 µL L-1 e 400 µL L-1, testemunha com aplicação de água, Calda Bordalesa 1%, Crop-set - Improcop® e tomate cultivado em sistema convencional. Foram realizadas análises físicas (coloração, perda de massa parcial e total, volume, viabilidade e peso específico), químicas (pH, SST, AT e ratio) e sensoriais (firmeza ao toque, aparência geral externa, característica da polpa, aparência geral interna, aroma, textura, sabor, sabor estranho, doçura, acidez e qualidade global). Diferenças significativas foram verificadas na comparação entre os dois sistemas de cultivo, de modo que os frutos orgânicos apresentaram tendência em demorar mais para amadurecer, menor acidez, maior SST na avaliação final e maior ratio. Na análise sensorial receberam as melhores notas para os parâmetros acidez, textura, doçura e qualidade global.

Palavras-chave


Solanum lycopersicum; Cymbopogon citratus; Análise sensorial; Tratamento pré-colheita

Texto completo:

PDF

Referências


ADEDEJI, O. et al. Physicochemical properties of four tomato cultivars grown in Nigeria. Journal of Food Processing and Preservation, v. 30, p.79-86, 2006.

ANDREUCCETTI, C. et al. Qualidade pós-colheita de frutos de tomate cv. Andréa tratados com etileno. Horticultura Brasileira, v. 25, n. 1, p. 122-126, 2007.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTRY. Official methods of analysis. 16. ed. Arlington: AOAC International, 1995. 1025 p.

BALDWIN, E. A.; SCOTT, J. W; EINSTEIN, M. A. Relationship between sensory and instrumental analysis for tomato flavor. Journal of the American Society for Horticultural Science, v. 123, n. 5, p. 906-915, 1998.

BORGUINI, R. G. Avaliação do potencial antioxidante e de algumas características físico-químicas do tomate (Lycopersicon esculentum) orgânico em comparação ao convencional. 2006. 178 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BORGUINI, R. G.; SILVA, M. V. Características físico-químicas e sensoriais do tomate (Lycopersicon esculentum) produzido por cultivo orgânico em comparação ao convencional. Brazilian Journal of Food and Nutrition, v. 16, n. 4, p. 355-361, 2005.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Portaria SARC n° 085 de 06 de março de 2002. Propõe o Regulamento técnico de identidade e qualidade para classificação do tomate. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 06 mar. 2002. p. 60.

CARIS-VEYRAT, C. et al. Influence of organic versus conventional agricultural practice on the antioxidant microconstituent content of tomatoes and derived purees: consequences on antioxidant plasma status in humans. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v. 52, n. 21, p. 6503-6509, 2004.

CARVALHO, L. A. et al. Caracterização físico-química de híbridos de tomate de crescimento indeterminado em função do espaçamento e número de ramos por planta. Revista Brasileira de Agrociência, v. 11, n. 3, p. 295-298, 2005.

CASA, J. et al. Interferência dos tratamentos fitossanitários alternativos na qualidade pós colheita de frutos de tomateiro. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 2 n. 2, p. 651-654, 2007.

CASTRICINI, A. et al. Uso da radiação gama na conservação pós-colheita do tomate de mesa (Lycopersicum esculentum MILL.) em estádio maduro. Revista Universidade Rural, Série Ciência da Vida, v. 24, n. 1, p. 85-91, 2004.

CHITARRA, M. I. F.; CHITARRA, A. B. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. 2. ed. Lavras, MG: UFLA, 2005. 783 p.

DAVIES, J. N.; MAW, G. A. Metabolism of citric and malic acids during ripening of tomato fruit. Journal of Science Food Agriculture, v. 23, p. 969-979, 1972.

FELTRIN, D. M. et al. Produtividade e qualidade de frutos de cultivares de tomateiro fertirrigado com cloreto e sulfato de potássio. Revista de Ciências Agroveterinárias, v. 4, n. 1, p. 17-24, 2005.

FERREIRA, D. F. Sisvar: sistema de análise de variância. Versão 5.3. Lavras,MG: UFLA, 2010.

FERREIRA, M. D. et al. Avaliação física do tomate de mesa ‘Romana’ durante manuseio na pós-colheita. Engenharia Agrícola, v. 26, n. 1, p. 313-319, 2006.

FERREIRA, M. D. et al. Qualidade do tomate de mesa em diferentes etapas, da fase de pós-colheita. Horticultura Brasileira, v. 26, n. 2, p. 231-235, 2008.

FERREIRA, M. D.; FRANCO, A. T. O.; TAVARES, M. Técnicas de colheita para tomate de mesa. Horticultura Brasileira, v. 23, n. 4, p. 1018-1021, 2005.

FERREIRA, S. M. R et al. Qualidade pós-colheita do tomate de mesa convencional e orgânico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 30, n. 4, p. 858-864, 2010a.

FERREIRA, S. M. R. et al. Qualidade do tomate de mesa cultivado nos sistemas convencional e orgânico. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 30, n. 1, p. 224-230, 2010b.

FERREIRA, S. M. R.; FREITAS, R. J. S. de; BASSLER, T. C. Terminologia descritiva para análise sensorial de tomate de mesa. Visão Acadêmica, v. 4, n. 1, p. 7-12, 2003.

FERREIRA, S. M. R.; FREITAS, R. J. S.; LAZZARI, E. N. Padrão de identidade e qualidade do tomate (Lycopersicon esculentum) de mesa. Ciência Rural, v. 34, n. 1, p. 329-335, 2004.

GETINET, H.; WORKNEH, T. S.; WOLDETSADIK, K. Effect of maturity stages, variety and storage environment on sugar content of tomato stored in multiple pads evaporative cooler. African Journal of Biotechnology, v. 10, n. 80, p. 18481-18492, 2011.

HURR, B. M.; HUBER, D. J.; LEE, J. H. Differential responses in color changes and softening of “Florida 47” tomato fruit treated at green and advanced ripening stages with the ethylene antagonist 1-methylcyclopropene. Hort Technology, v. 15, n. 3, p. 617-622, 2005.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz. Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3. ed. São Paulo: IMESP, 1985. 553 p. v. 1.

ITAKO, A. T. et al. Atividade antifúngica e proteção do tomateiro por extratos de plantas medicinais. Tropical Plant Pathology, v. 33, n. 3, p. 241-244, 2008.

ITAKO, A. T.; TOLENTINO JÚNIOR, J. B.; SCHWAN-ESTRADA, K. R. F. Cymbopogon citratus essential oil bioactivity and the induction of enzymes related to the pathogenesis of Alternaria solani on tomato plants. IDESIA, v. 31, n. 4, p. 11-17, 2013.

LANA, M. M. et al. Identificação das causas de perdas pós colheita de tomate no varejo em Brasília-DF. Brasília: Embrapa Hortaliças, 2006. 25 p. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 16).

MENCARELLI, F.; SALTVEIT, JUNIOR, M. E. Ripening of mature-green tomato fruit slices. Journal of American Society for Horticultural Science, v. 113, n. 5, p. 742-745, 1988.

MOHAMMED, M.; WILSON, L. A.; GOMES, P. I. Postharvest sensory and physiochemical attributes of processing and nonprocessing tomato cultivars. Journal of Food Quality, v. 22, n. 2, p. 167-182, 1999.

MONTEIRO, C. S. et al. Qualidade nutricional e antioxidante do tomate “tipo italiano”. Alimentos e Nutrição, v. 19, n. 1, p. 25-31, 2008.

MORAIS, P. L. D. de et al. Correlação entre variáveis de crescimento do fruto da mangueira Tommy Atkins. Ciência e Agrotecnologia, v. 28, n. 4, p. 743-747, 2004.

MORETTI, C. L. Protocolos de avaliação da qualidade química e física de tomate. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 2006, 9 p. (Comunicado técnico, 32).

PERES, F.; MOREIRA, J. C. Saúde e ambiente em sua relação com o consumo de agrotóxicos em um pólo agrícola do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, p. 612-621, 2007. Suplemento 4.

THOMPSON, K. A. et al. Cultivar, maturity, and heat treatment on lycopene content in tomatoes. Journal of Food Science, v. 65, n. 5, p. 791-795, 2000.

TZORTZAKIS, N. G. Maintaining postharvest quality of fresh produce with volatile compounds. Innovative Food Science and Emerging Technologies, v. 8, p. 111-116, 2007.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.