Qualidade fisiológica de sementes de pimenta em função da idade e do tempo de repouso pós-colheita dos frutos

Francisco Elder Carlos Bezerra Pereira, Salvador Barros Torres, Maria Isabel de Lima Silva, Leilson Costa Grangeiro, Clarisse Pereira Benedito

Resumo


Um aspecto importante da produção de sementes é a determinação da maturidade fisiológica e do momento adequado de colheita, visando obter sementes de alta qualidade, minimizando a sua deterioração no campo. Diante disso, esta pesquisa teve por objetivo estudar a influência do estado de maturação dos frutos e dos períodos de repouso pós-colheita na qualidade fisiológica de sementes de pimenta (Capsicum baccatum L.), variedade Dedo-de-Moça, para determinação do ponto adequado para colheita das sementes. Os frutos foram colhidos em quatro estádios de maturação, com base na sua coloração: verde intenso (15 DAA), verde amarelado (25 DAA), verde avermelhado (35 DAA) e vermelho intenso (45 DAA) e submetidos ao armazenamento por 0; 5 e 10 dias para então, proceder à extração das sementes. Foram determinados o peso dos frutos, comprimento, diâmetro e espessura da polpa. A qualidade das sementes foi avaliada pelos testes de germinação, primeira contagem de germinação, emergência de plântulas, grau de umidade, massa seca de 100 sementes, peso de mil sementes e condutividade elétrica. Diante dos resultados, conclui-se que a maturidade fisiológica das sementes de pimenta, variedade Dedo-de-Moça, é indicada pela coloração vermelho intenso dos frutos (45 DAA); o repouso pós-colheita dos frutos por dez dias melhora o potencial fisiológico das sementes.


Palavras-chave


Capsicum baccatum; Germinação; Maturidade fisiológica; Colorimetria de frutos

Texto completo:

PDF

Referências


BEWLEY, J. D.; BLACK, M. Seeds: physiology of development and germination. 2. ed. New York; London: Plenum Press, 1994. 445 p.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: SDA/ACS, 2009. 399 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 5. ed. Jaboticabal: Funep, 2012. 590 p.

CASTRO, M. M.; GODOY, A. R.; CARDOSO, A. I. I. Qualidade de sementes de quiabeiro em função da idade e do repouso pós-colheita dos frutos. Ciência e Agrotecnologia, v. 32, n. 5, p. 1491-1495, 2008.

CRUZ, D. M. R.; BANCI, C. A. Produção de mudas e plantio. In: RIBEIRO, C. S. et al. (Ed.). Pimentas Capsicum. Brasília: Embrapa Hortaliças, 2008. p. 73-80.

DEMIR, I. et al. Seed development and maturation in Aubergine (Solanum melongena L.). Gartenbauwissenschaft, v. 67, n. 4, p. 148-154, 2002.

DIAS, D. C. F. S. Maturação fisiológica de sementes: o processo. Seed News, v. 5, n. 6, p. 22-24, 2001.

DIAS, D. C. F. S. et al. Tomato seed quality harvested from different trusses. Seed Science and Technology, v. 34, n. 3, p. 681-689, 2006.

FERREIRA, D. F. SISVAR: um programa para análises e ensino de estatística. Revista Simposium, v. 6, n. 2, p. 36-41, 2008.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3. ed. Viçosa: UFV, 2007. 421 p.

GILLASPY, G.; BEM-DAVID, H.; GRUISSEM, W. Fruits: a developmental perspective. The Plant Cell, v. 5, n. 10, p. 1439-1451, 1993.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2005. 495 p.

MARROCOS, S. T. P. et al. Maturação de sementes de abobrinha menina brasileira. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 2, p. 272-278, 2011.

MARTINS, D. C. et al. Maturidade fisiológica de sementes de berinjela. Revista Brasileira de Sementes, v. 34, n. 4, p. 534-540, 2012.

MARTINS, G. N. et al. Influência do repouso pós-colheita de frutos na qualidade fisiológica de sementes de mamão. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 2, p. 142-146, 2006.

MEDEIROS, M. A. et al. Maturação fisiológica de sementes de maxixe (Cucumis anguria L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 3, p. 17-24, 2010.

NAKADA, P. G. et al. Desempenho fisiológico e bioquímico de sementes de pepino nos diferentes estádios de maturação. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 113-122, 2011.

NASCIMENTO, W. M.; FREITAS, R. A. Produção de sementes de pimentas. In: RIBEIRO, C. S. C. et al. (Org). Cultivo de pimentas (Capsicum spp.) no Brasil. Brasília: Embrapa Hortaliças, 2006. p. 30-39.

OLIVEIRA, A. P. et al. Maturação fisiológica de sementes de pimentão, em função de idade de frutos após a antese. Revista Brasileira de Sementes, v. 21, n. 2, p. 88-94, 1999.

QUEIROZ, L. A. F. et al. Época de colheita e secagem na qualidade de sementes de pimenta Habanero Yellow. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 3, p. 472-481, 2011.

RIBEIRO, A. C.; GUIMARÃES, P. T. G.; ALVAREZ, V. H. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: - 5ª aproximação. Viçosa: CFSEMG, 1999. 359 p.

SANCHEZ, V. M. et al. Fruit maturity, storage and postharvest maturation treatments affect bell pepper (Capsicum annuum L.) seed quality. Scientia Horticulturae, v. 54, n. 3, p. 191-201, 1993.

SILVA, P. S. L. et al. Efeitos do número e época de capinas sobre o rendimento de grãos do milho. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v. 3, n. 2, p. 204-213, 2004.

VIDIGAL, D. S. et al. Alterações fisiológicas e enzimáticas durante a maturação de sementes de pimenta (Capsicum annuum L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 129-136, 2009.

VIDIGAL, D. S. et al. Changes in seed quality during fruit maturation of sweet pepper. Scientia Agricola, v. 68, n. 5, p. 535-539, 2011.

VIDIGAL, D. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de tomate em função da idade e do armazenamento pós-colheita dos frutos. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 3, p. 87-93, 2006.

VIDIGAL, D. S. et al. Teste de condutividade elétrica para sementes de pimenta. Revista Brasileira de Sementes, v. 30, n. 1, p. 168-174, 2008.

WELBAUM, G. E.; BRADFORD, K. J. Water relations of seeds development and germination in muskmelon (Cucumis melo L.). Water relations of seeds and fruit development. Plant Physiology, v. 86, p. 406-411, 1988.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.