Matéria orgânica de horizontes superficiais em topolitossequências em ambiente de Mar de Morros, Pinheiral, RJ

Ademir Fontana, Marcos Gervasio Pereira, Lúcia Helena Cunha dos Anjos, Adailde Carmo dos Santos, Thiago Andrade Bernini

Resumo


O objetivo deste trabalho foi quantificar o carbono orgânico e as frações húmicas de horizontes superficiais de perfis de solo em três topolitossequências no ambiente de Mar de Morros, no município de Pinheiral, RJ. Foram selecionadas as topolitossequências: T1 (basalto), T2 (muscovita-biotita-gnaisse) e T3 (gabro). Os horizontes superficiais de 14 perfis de solo, sob cobertura de pastagem (T1 e T3) e pastagem mista não manejada e leguminosa (pasto sujo/capoeira) (T2), foram descritos e coletados para análises químicas, físicas e do teor de carbono nas frações húmicas. Os teores de carbono orgânico variaram de acordo com o material de origem e decrescem na seguinte ordem: T3 > T1 > T2. Os teores de carbono orgânico aumentam do topo para a várzea na T1, ocorrendo o inverso na T3 e sem um padrão definido na T2. A fração humina predominou em todos os perfis de solo das topolitossequências e foi seguida pela fração ácidos fúlvicos na T1 e de forma equitativa entre as frações ácidos fúlvicos e ácidos húmicos na T2 e T3. Considerando o ambiente similar em termos da vegetação original e o uso agrícola, as mudanças no carbono do solo e nas frações húmicas podem refletir as interações com os componentes minerais e processos pedogenéticos, influenciados pelo material de origem e o relevo.


Palavras-chave


Pedogênese; Frações húmicas; Atributos edáficos

Texto completo:

PDF

Referências


BENITES, V. M. MADARI, B.; MACHADO, P. L. O. A. Extração e fracionamento quantitativo de substâncias húmicas do solo: um procedimento simplificado de baixo custo. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, Comunicado Técnico, 16, 2003. 7 p.

BONINI; C. S. B.; ALVES, M. C. Estabilidade de agregados de um Latossolo Vermelho degradado em recuperação com adubos verdes, calcário e gesso. Revista Brasileira de Botânica, v. 35, n. 4, p. 1263-1270, 2011.

BRASIL. Geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Projeto Radam Brasil Folhas SF, 23/24. Rio de Janeiro/Vitória: Rio de Janeiro: IBGE/Ministério das minas e energia - Secretaria Geral, 1983. v. 32. (Levantamento de Recursos Naturais).

BRIEDIS, C. et al. Soil organic matter pools and carbon-protection mechanisms in aggregate classes influenced by surface liming in a no-till system. Geoderma, v. 170, n. 1, p. 80–88, 2012.

COSTA, O. V. et al. Estoque de carbono do solo sob pastagem em área de tabuleiro costeiro no sul da Bahia. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 33, n. 5, p. 1137-1145, 2009.

CORRÊA, M. M. et al. Atributos físicos, químicos e mineralógicos de solos da região de várzeas de Souza (PB). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 2, p. 311-324, 2003.

EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solos. Rio de Janeiro, 1997. 212 p.

EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006, 306 p.

FONTANA, A. et al. Substâncias húmicas como suporte à classificação de solos Brasileiros. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 32, n. 5, p. 2073-2080, 2008.

FONTANA, A. et al. Quantificação e utilização das frações húmicas como característica diferencial em horizontes diagnósticos de solos brasileiros. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 34, n. 4, p. 1241-1247, 2010.

FONTANA, A. et al. Proposta de classificação de horizontes diagnósticos minerais em níveis hierárquicos inferiores com base nas frações húmicas. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 192, 2011, 26 p.

GREENLAND, D. J.; WILD, A.; ADAMS, D. Organic matter dynamics in soils of the tropics - from myth to complex reality. In: LAL, R.; SANCHEZ, P. A. Myths and science of soils of the tropics. SSSA, Special Publication n.29. Wisconsin: Copyright, 1992. p. 17-33.

GRÜNEWALD, G. et al. Organic matter stabilization in young calcareous soils as revealed by density fractionation and analysis of lignin-derived constitution. Organic Geochemistry, v. 37, n. 11, p. 1573-1589, 2006.

IBRAIMO, M. M. et al. Gênese e micromorfologia de solos sob vegetação xeromórfica (caatinga) na região dos lagos (RJ). Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 28, n. 3, p. 695-712, 2004.

LABRADOR MORENO, J. La matéria orgânica em los agrosistemas. Madrid: Ministerio de Agricultura Pesca y Alimentación, 1996. 174 p.

LEITE, L. F. C. et al. Estoques totais de carbono orgânico e seus compartimentos em Argissolo sob floresta e sob milho cultivado com adubação mineral e orgânica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 27, n. 5, p. 821-832, 2003.

MAJZIK, A.; TOMBÁCZ, E. Interaction between humic acid and montmorillonite in the presence of calcium ions I. Interfacial and aqueous phase equilibria: Adsorption and complexation. Organic Geochemistry, v. 38, n. 8, p. 1319-1329, 2007a.

MAJZIK, A.; TOMBÁCZ, E. Interaction between humic acid and montmorillonite in the presence of calcium ions II. Colloidal interactions: Charge state, dispersing and/or aggregation of particles in suspension. Organic Geochemistry, v. 38, n. 8, p. 1330–1340, 2007b.

MIELNICZUK, J. et al. Manejo de solo e culturas e sua relação com os estoques de carbono e nitrogênio do solo. In: CURI, N. et al. Tópicos em ciência do solo. Viçosa: SBCS, 2003, v. 3, p. 209-248.

PEREIRA, M. G. et al. Caracterização e classificação de solos em uma topossequência sobre calcário na Serra da Bodoquena, MS. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 37, n. 1, p. 25-36, 2013.

SANTOS, R. D. et al. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 5. ed. Viçosa, SBCS/EMBRAPA/CNPS, 2005. 100 p.

SANTOS, A. C. Pedogênese e alterações geoquímicas em topolitossequências na Bacia do Ribeirão do Cachimbal na Região do Médio Vale do Paraíba, RJ. 2009. 268 f. Tese (Doutorado em Agronomia - Ciência do Solo) - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2009.

SILVA, M. B. et al. Estudo de topossequência da várzea litorânea fluminense: efeitos do material de origem e posição topográfica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 25, n. 5, p. 965-976, 2001.

SILVA, A. C. et al. Relações entre matéria orgânica do solo e declividade de vertentes em topossequencia de Latossolos do sul de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 31, n. 5, p. 1059-1068, 2007.

SOUZA, E. D. et al. Frações do carbono orgânico, biomassa e atividade microbiana em um Latossolo Vermelho sob cerrado submetido a diferentes sistemas de manejos e usos do solo. Acta Scientiarum. Agronomy, v. 28, n. 3, p. 323-329, 2006.

TORNQUIST, C. G. et al. Soil organic carbon stocks of Rio Grande do Sul, Brazil. Soil Science Society of America Journal, v. 73, n. 3, p. 975-982, 2009.

VIRTO, I.; GARTZIA-BENGOETXEA, N.; FERNÁNDEZ-UGALDE, O. Role of organic matter and carbonates in soil aggregation estimated using laser diffractometry. Pedosphere, v. 21, n. 5, p. 566-572, 2011.

WANDER, M. M. Soil organic matter fractions and their relevance to soil function. In: MAGDOFF, F.; WEIL, R. Advances in Agroecology, CRC Press LLC, 2004. p. 67-102.

WUDDIVIRA, M. N.; CAMPS-ROACH, G. Effects of organic matter and calcium on soil structural stability. European Journal of Soil Science, v. 58, n. 3, p. 722–727, 2007.

YEOMANS, J. C.; BREMNER, J. M. A rapid and precise method for routine determination of organic carbon in soil. Soil Science and Plant Analysis, v.19, n. 13, p. 1467-1476, 1988.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.