Qualidade fisiológica de sementes de crambe submetidas à secagem

Rute Quelvia de Faria, Itamar Rosa Texeira, Daniel Antonio da Cunha, Jessica Menezes Honorato, Ivano Alessandro Devilla

Resumo


O crambe apresenta potencial de cultivo para as regiões tropicais, sobretudo, para o Centro-Oeste brasileiro, podendo ser considerada como uma opção à tão limitada lista de espécies disponíveis para a safrinha. Contudo, a expansão da área de cultivo desta Brassicacea somente ocorrerá com o fornecimento de sementes de qualidade, e para isso os conhecimentos sobre os procedimentos de secagem são relevantes. Este trabalho foi realizado com a finalidade de avaliar a qualidade fisiológica de sementes de crambe submetidas à secagem. Para tanto, foram avaliadas sementes com cinco teores de água (10; 12; 15; 20; 22% b.u), submetidas a cinco temperaturas de secagem do ar (30; 40; 50; 60 e 70 ºC). Os testes utilizados para análise foram: teste de germinação, primeira contagem da germinação, comprimento de plântulas e condutividade elétrica. Conclui-se que a temperatura entre 40 a 60 ºC propiciaram melhor desempenho fisiológico nos testes de viabilidade e vigor de sementes de crambe. A temperatura de 70 ºC foi prejudicial ao desempenho fisiológico das sementes de crambe. Teores de água acima de 12% b.u. sob faixas de temperaturas entre 40 a 60 ºC, podem interferir positivamente na quebra de dormência das sementes de crambe.


Palavras-chave


Crambe; Secagem; Sementes-qualidade

Texto completo:

PDF

Referências


BITTENCOURT, E. Biodiesel: matéria prima - crambe tem alto potencial: oleaginosa pode ser produzida em larga escala e a baixo custo no período de safrinha. Canal - Jornal da Bioenergia, v. 4, n. 46, s/p. 2010. Disponível em: Acesso em: 30 abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de defesa Agropecuária. Regras para análise de sementes. Brasília, 2009. 395 p.

CÂMARA, G. M. S.; HEIFFIG, L. S. Agronegócio de plantas oleaginosas: matérias-primas para biodiesel. Piracicaba: Esalq, 2006. 96 p. v. 1.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

COLODETTI, T. V. et al. Crambe: aspectos gerais da produção agrícola. Enciclopédia Biosfera, v. 8, n. 14, p. 258-269, 2012.

CORRÊA, P. C. et al. Modelagem matemática para a descrição do processo de secagem do feijão (Phaseolus vulgaris L.) em camadas delgadas. Engenharia Agrícola, v. 27, n. 2, p. 501-507, 2007.

COSTA, L. M. et al. Isotermas de dessorção e calor isostérico dos frutos de crambe. Revista Brasileira Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 4, p. 412-418. 2013.

COSTA, L. M. et al. The influence of drying on the physiological quality of crambe fruits. Acta Scientiarum - Agronomy, v. 34, n. 2, p. 213-218, 2012.

COSTA, F. P.; MARTINS, L. D.; LOPES, J. C. Frequência de germinação de sementes de crambe (Crambe abyssinica Hochst.) sob influência de tratamentos pré-germinativos e de temperaturas. Nucleus, v. 7, n. 2, p. 185-193, 2010.

FARIA, R. Q. et al. Cinética de secagem de sementes de crambe. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 5, p. 573-583, 2012.

GEMAQUE, R. C. R. et al. Efeito das secagens lenta e rápida em sementes de ipê-roxo (Tabebuia impetigino (Mart.) Standl.). Revista Cerne, v. 11, n. 4, p. 329-335, 2005.

KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. 218 p.

MARCOS FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas. Piracicaba: Fealq, 2005. 495 p.

MARTINS et al. Influence of pre-germination treatments and temperature on the germination of crambe seeds(Crambe abyssinica Hochst). Idesia, v. 30, n. 3, p. 23-28, 2012.

NEVES, M. B. et al. Qualidade fisiológica de sementes de crambe produzidos em Mato Grosso do Sul. In: SIMPÓSIO ESTADUAL DE AGROENERGIA, 2007, Pelotas, RS. Anais... Pelotas, RS: EMBRAPA, 2007. p. 97-98.

PITOL, C.; BROCH, D. L.; ROSCOE, R. Tecnologia e produção: crambe. Maracaju: Fundação MS, 2010. 60 p.

RESENDE, O. et al. Modelagem matemática e difusidade efetiva das sementes de pião-manso (Jatropha curcas L.) durante a secagem. Revista Engenharia Agrícola, v. 31, n. 6, p. 1123-1135, 2011.

RUAS, R. A. A. et al. Embebição e germinação de sementes de crambe (Crambe abyssinica). Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 40, n. 1, p. 61-65, 2010.

SOUZA, A. D. V. et al. Caracterização química de sementes e tortas de pinhão-manso, nabo-forrageiro e crambe. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 44, n. 10, p. 1328-1335, 2009.

SPRENT, P.; SMEETON, N. C. Applied nonparametric statistical methods. Boca Raton: Chapman & Hall, 2007. 530 p.

STEEL, R. G. D.; TORRIE, J. H.; DICKEY, D. A. Principles and procedures of statistics: a biometrical approach. New York: McGraw-Hill, 1997. 666 p.

TRZECIAK, M. B. et al. Utilização de sementes de espécies oleaginosas para produção de biodiesel. Informativo Abrates, v. 18, n. 1/3, p. 30-38, 2008.

TUNES, L. M. et al. Armazenabilidade de sementes de cevada colhidas em diferentes épocas. Bioscience Journal, v. 26, n. 3, p. 403-412, 2010.

VANZOLINI, S. et al. Teste de comprimento de plântula na avaliação da qualidade fisiológica de sementes soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 29, n. 2, p. 90-96, 2007.

VIEIRA, R. D. et al. Condutividade elétrica e teor de água inicial das sementes de soja. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 37, n. 9, p. 1333-1338, 2002.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.