Avaliação físico-química e comportamento higroscópico de goiaba em pó obtida por spray-dryer

Alinne Alencar Costa dos Santos, Anne Karine Gurgel Dias Florêncio, Érica Milô de Freitas Felipe Rocha, José Maria Correia da Costa

Resumo


A goiaba é uma das frutas tropicais mais populares e de maior aceitação em todas as regiões do Brasil. Do seu fruto podem-se obter vários produtos alimentícios tais como: doces, geleias, licores e sucos de diversas formas. Diante do exposto, o objetivo desta pesquisa foi caracterizar a polpa de goiaba atomizada quanto à sua composição físico-química e, avaliar o seu comportamento higroscópico através das isotermas de adsorção utilizando diferentes modelos matemáticos. As análises físico-químicas realizadas tanto na polpa integral de goiaba quanto no pó de goiaba atomizado foram: umidade, pH, acidez, sólidos solúveis e ácido ascórbico apresentando os seguintes resultados, respectivamente, 88,57 - 5,69%; 3,76 - 3,88; 0,43 - 0,24 mg 100 g-1; 8,43 - 93,00 ºBrix e 2,77 - 3,79 mg 100 g-1. As isotermas de adsorção foram construídas utilizando-se do ajuste de dados experimentais aos modelos matemáticos de GAB, BET, Henderson e Oswin. Sendo, o modelo Henderson, em todas as temperaturas avaliadas, aquele que melhor se ajustaram para o pó de goiaba atomizado com erro variando de 09,93 a 12,09% e coeficiente de correlação variando de 0,9900 a 0,9934.

Palavras-chave


Goiaba; Frutas; Secagem

Texto completo:

PDF

Referências


ADHIKARI, B. et al. Effect of addition of maltodextrin on drying kinetics and stickiness of sugar and acid-rich foods during convective drying: experiments and modelling. Journal of Food Engineering, v. 62, n. 1, p. 53-68, 2004.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 272, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o “Regulamento Técnico para produtos de vegetais, produtos de frutas e cogumelos comestíveis”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005a.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 269, de 22 de setembro de 2005. Dispõe sobre o “Regulamento Técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais”. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005b.

ANSELMO, G. C. S. et al. Determinação da higroscopicidade do cajá em pó por meio da secagem por atomização. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v. 6, n. 2, p. 58-65, 2006.

AQUALAB. Analisador de atividade de água Decagon. Brasil: ABRASEQ, 1997. 21 p.

AZZOLINI, M. et al. Ripening of “Pedro Sato” guava: study on its climateric or no-climateric nature. Brazilian Journal of Plant Physiology, v. 17, n. 3, p. 299-306, 2005.

BEZERRA, S. T. Comportamento higroscópico de pós de diferentes variedades de manga (Mangifeta indica L.) 2009. 100 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) - Centro de Ciência Agrárias. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 1, de 07 de janeiro de 2000. Dispõe sobre o “Regulamento Técnico Geral para fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade para Polpa de Fruta”, Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2000.

CALEGUER, V. F.; BENASSI, M. T. Efeito da adição de polpa, carboximetilcelulose e goma arábica nas características sensoriais e aceitação de preparados em pó para refresco sabor laranja. Revista Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 27, n. 2, p. 270-277, 2007.

CANO-CHAUCA, M. et al. Effect of the carriers on the microstructure of mango powder obtained by spray drying and its funcional characterization. Innovative Food Science & Emerging Technologies, v. 6, n.4, p. 420-428, 2005.

CARVALHO, H. A. et al. Efeito da atmosfera modificada sobre componentes da parede celular da goiaba. Ciência e Agrotecnologia, v. 25, n. 3, p. 605-615, 2001.

HÉRBRARD, A. et al. Hydration properties of durum wheat semolina: influence of particle size. Powder Technology, v. 130, n. 1/3, p. 211-218, 2003.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas, métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 3. ª ed. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2004, v. 1.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Produção Agrícola Municipal. 2009.

GABAS, A. L. et al. Effect of maltodextrin and arabic gum in water vapor sorption thermodynamic properties of vacuum dried pineapple pulp powder. Journal of Food Engineering, v. 82, n. 2, p. 246-252, 2007.

GREESPAN, L. Humidity fixed points of binary satured aqueous solutions. Journal of Research of the National of Standards A. Physics and Chemistry, v. 81, n. 1, p. 89-96, 1977.

KUROZAWA, L. E.; EL-AOUAR; A. A., MUR, F. E. X. Obtenção de isotermas de cogumelo in natura e desidratado osmoticamente. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 25, n. 4, p. 828-834, 2005.

OLIVEIRA, F. M. N.; FIGUEIRÊDO, R. M. F.; QUEIROZ, A. J. M. Análise comparativa de polpas de pitanga integral, formulação e em pó. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v. 8, n. 1, p. 25-33, 2006.

OLIVEIRA, M. M. et al.. Isotermas de dessorção da coroa do abacaxi. Revista Tecnologia & Ciência Agropecuária, v. 3, n. 1, p. 47-52, 2009.

RIBEIRO, V. G. et al. Armazenamento de goiabas ‘Paluma’ sob refrigeração e em condição ambiente, com e sem tratamento com cera de carnaúba. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 27, n. 2, p. 203-206, 2005.

RIGHETTO, A. M.; NETTO, F. M. Effect of encapsulating materials on water sorption, glass transition and stability of juice from immature acerola. International Journal of Food Properties, v. 8, n. 2, p. 337-346, 2005.

STROHECKER, R.; HENNING, H. M. Analisis de vitaminas: métodos comprobados. Madrid: Paz Montalvo, 1967. 428 p.

VILA, M. T. R. et al. Caracterização química e bioquímica de goiabas armazenadas sob refrigeração e atmosfera modificada. Ciência e Agrotecnologia, v. 31, n. 5, p. 1435-1442, 2007.

WANG, H.; ZHANG, S.; CHEN, G. Glass transition and state diagram for fresh and freeze-dried Chinese gooseberry. Journal of Food Engineering, v. 84, n. 2, p. 307-312, 2008.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.