Maturation stages of fruit development and physiological seed quality in Physalis peruviana

Cesar Augustu Gasparetto Sbrussi, Claudemir Zucareli, André Mateus Prando, Bruna Vicentin de Almeida Barbosa da Silva

Resumo


Em frutos carnosos como o Physalis, em que as sementes são a principal forma de propagação, há divergências quanto ao estágio fisiológico adequado de colheita para obtenção de sementes de qualidade. Objetivou-se neste trabalho determinar o estágio de maturação, através da coloração do fruto e cálice e em relação aos aspectos físicos dos frutos e fisiológicos das sementes de Physalis peruviana. Foram estudados cinco estágios de maturação: cálice e frutos verdes (A); cálice verde e fruto coloração amarelo (B); cálice verde-amarelado e fruto amarelo (C); cálice palha e fruto amarelo (D); cálice palha-marrom e fruto amarelo intenso (E). As avaliações físicas foram determinadas por meio do diâmetro, comprimento e massa seca dos frutos e teor de água e massa de mil sementes. As características fisiológicas das sementes foram determinadas pelo teste de germinação, massa seca de plântula, índice de velocidade de germinação, emergência das plântulas no campo e índice de velocidade de emergência. O diâmetro, comprimento e massa seca dos frutos de Physalis peruviana foram maiores com maior maturidade fisiológica. Os estágios de maturação não interferiram na porcentagem de germinação e vigor das sementes de Physalis peruviana.


Palavras-chave


Uchuva; Germinação; Frutos exóticos; Climatério

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, L. Physalis ou Uchuva: Fruta da Colômbia chega ao Brasil. Revista Rural, n. 38, p. 11-12, 2008.

AGUIAR, F. F. et al. Maturação de frutos de Caesalpinia echinata Lam., pau brasil. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p. 1-6, 2007.

ALEXANDRE, R. S. et al. Estádio de maturação dos frutos e substratos na germinação de sementes e desenvolvimento inicial de plântulas de jabuticabeira. Revista Brasileira Agrociência, v. 12 n. 2, p. 227-230, 2006.

ALVES, E. U. Maturação de sementes de sabiá (Mimosa caesalpiniifolia Benth.). 2003. 89 f. Tese (Doutorado em Agronomia/Produção e Tecnologia de Sementes) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2003.

ÁVILA, A. J. et al. Influencia de la madurez del fruto y del secado del cáliz en uchuva (Physalis peruviana L.), almacenada a 18 ºC. Acta Agronómica Colombiana, v. 55, n. 4, p. 29-38, 2006.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de semente. Brasília: SNAD/DNDV/CLAV, 2009. 395 p.

CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.

CEDEÑO, M.M.; MONTENEGRO, D.M. Plan exportador, logistico y de comercilizacion de uchuva al mercado de estados unidos para frutexpo S.C.I. Ltda. Monagrafia de conclusão de curso - Pontificia Universidad Javeriana, Bogotá. 2004. 134 p.

CHAVES, A. C. Propagação e avaliação fenológica de Physalis sp. na região de Pelotas-RS. 2006. 65 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2006.

COSTA, N. P. et al. Caracterização físico-química de frutos de umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Câm.), colhidos em quatro estádios de maturação. Bioscience Journal, v. 20, n. 2, p. 65-71, 2004.

DIAS, D. C. Maturação de Sementes. Seed News, v. 5, n. 6, p. 3-4, 2001.

FISCHER, G.; ALMANZA, P. J. Nuevas tecnologias en el cultivo de la uchuva Physalis peruviana L. Agrodesarrollo, v. 4, n. 1-2, p. 294, 1993.

GEMANAQUE, R. C. R.; DAVIDE, A. C.; FARIA, J. M. Indicadores de maturidade fisiológica de sementes de ipê-roxo (Tabebuia impetiginosa (Mart.) Standl.) Cerne, v. 8, n. 2, p. 84-91, 2002.

GUIMARÃES, D. M.; BARBOSA, J. M. Coloração dos frutos como índice de maturação para sementes de Machaerium brasiliense Vogel (Leguminosae - Fabaceae). Revista Brasileira de Biociências, v. 5, n. 2, p. 567-569, 2007.

LEONHARDT, C.; TILLMANN, F. A. V.; MATTEI, V. L. Maturação fisiológica de sementes de tarumã-de-espinho (Citharexylum montevidense (Spreng.) Moldenke - Verbenaceae), no Jardim Botânico de Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Sementes, v. 23, n. 1, p. 100-107, 2001.

LIMA, C. S. M. et al. Características físico-químicas de physalis em diferentes colorações do cálice e sistemas de condução. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 31, n. 4, p. 1061-1068, 2009.

LOPES, J. C.; DIAS, P. C.; PEREIRA, M. D. Maturação fisiológica de sementes de quaresmeira. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 40, n. 8, p. 811-816, 2005.

MAZORRA M. F.; QUINTANA A. P. Desarrollo del fruto y aspectos anatómicos de las estructuras reproductivas de la uchuva (Physalis peruviana L.) en la zona de Subia (Cundinamarca). [Trabajo de Grado]. Bogotá: Facultad de Agronomía, Universidad Nacional de Colombia, Sede Bogotá; 2003.

MEDEIROS, M. A. et al. Maturação de sementes de maxixe maturação fisiológica de sementes de maxixe (Cucumis anguria L.). Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 3, p. 17-24, 2010.

MEDINA, D. Estudio Morfo - Fisiológico de la semilla de Physalis peruviana (Tomatillo) y el efecto de cuatro sustratos y dos bioestimulantes en el enraizamiento de esquejes. Tesis Ing. Agrónomo. Universidad Nacional de Cajamarca. Cajamarca, Perú. 1985. 72 p.

MELO, P. C. T. Produção de sementes de tomate: cultivares de polinização aberta e híbridos. In: CURSO SOBRE TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES DE HORTALIÇAS, 5., 2005, Brasília. Anais... Brasília, 2005. 1 CD-ROM.

NAKAGAWA, J. Teste de vigor baseados no desempenho da plântula. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA,R. D.; FRANÇA NETO,J. B.(Ed.).Vigor de semente: conceitos e teste. Londrina: ABRATES,1999.

SILVA, L. M. M. Maturação fisiológica de sementes de Cnidosculus phyllacanthus Pax & K. Hoffm. In: Morfologia e ecofisiologia de sementes de Cnidosculus phyllacanthus Pax & K. Hoffm. 2002.. Tese (Doutorado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, 2002. p. 46-61.

SILVEIRA, M. A. M; VILLELA, F. A.; TILLMANN, M. A. A. Comparação de métodos para avaliação da qualidade fisiológica em sementes de Calêndula Revista Brasileira de Sementes, v. 24, n. 2, p. 24-30, 2002.

SOUZA, C. L. M. et al. Morfologia de sementes e desenvolvimento pós-seminal de Physalis angulata L. Revista Acta Botância Brasílica, v. 24, n. 4, p. 1082-1085, 2010.

VELASQUEZ, H. J. C.; GIRALDO, O. H. B.; ARANGO, S. S. P. Estudio preliminar de la resistência mecánica a la fractura y fuerza de fi rmeza para frut fruta de uchuva ( Physalis peruviana L.). Revista Facultad Nacional de Agronomía, v. 60, n. 1, p. 3785-3796, 2007.

VIDIGAL, D. S. et al. Qualidade fisiológica de sementes de tomate em função da idade e do armazenamento pós-colheita dos frutos. Revista Brasileira de Sementes, v. 28, n. 3, p. 87-93, 2006.

VIDIGAL, D. S. et al. Alterações fisiológicas e enzimáticas durante a maturação de sementes de pimenta (Capsicum annuum L.) Revista Brasileira de Sementes, v. 31, n. 2, p. 129-136, 2009.

WAGNER JÚNIOR, A. et al. Influência do estádio de maturação dos frutos e do substrato na formação de “seedlings” de três cultivares de pessegueiro. Revista Brasileira Agrociência, v. 12, n. 2, p. 221-225, 2006.




Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.