Mobilização de reservas durante a germinação de sementes de Pinhão manso

Lineker de Sousa Lopes, Maria Izabel Gallão, Cândida Hermínia Campos de Magalhães Bertini

Resumo


As espécies fanerógamas reservam nutrientes em suas sementes para sustentar sua propagação. A composição química e a forma de uso dos metabólitos são variáveis segundo o genótipo, o ambiente e interação desses fatores. O pinhão manso é considerado uma oleaginosa estratégica para produção de biocombustível, a partir disto, buscou-se quantificar os principais constituintes de reserva (amido, proteína, açúcar solúvel e lipídeo) da semente de pinhão manso e sua disposição nas células durante diferentes períodos germinativos, a fim de se conhecer o processo de mobilização de reservas e o momento potencialmente adequado à extração do óleo vegetal para a espécie. As sementes foram submetidas à embebição em água por 0; 12; 24; 36; 42; 45 e 48 horas, segundo delineamento inteiramente casualizado e avaliadas quanto à biomassa úmida e seca, características químicas de reserva e disposição dos compostos de reserva. Com a pesquisa, observou-se que os teores de lipídeos se elevam em até 43% no momento da protrusão. Os teores de carboidratos, tanto no endosperma quanto no embrião, são mínimos durante a protrusão e logo após esta, indicando máximo uso de carboidratos nos processos da germinação. As maiores sínteses proteicas ocorrem nos instantes de maior ganho de umidade, ocorrendo também uma redução e aglomeração de corpos proteicos durante o período de crescimento radicular do embrião após a protrusão. Apesar da presença de amido no endosperma de Jatropha curcas L., não se pode considerar o amido uma fonte de açúcares durante o período germinativo estudado.

Palavras-chave


Jatropha curcas L.; Fisiologia.; Oleaginosa

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.