Fluorescência da clorofila como uma ferramenta possível para seleção de tolerância à salinidade em girassol

André Dias de Azevedo Neto, Pedro Paulo Amorim Pereira, Danilo Pereira Costa, Ana Carla Conceição dos Santos

Resumo


O efeito do estresse salino de intensidade e duração conhecida nos parâmetros de fluorescência da clorofila em plantas de girassol foi estudado objetivando selecionar genótipos tolerantes e sensíveis à salinidade. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado em um arranjo fatorial entre 10 genótipos e 2 níveis de salinidade, com quatro repetições. As sementes foram semeadas em areia lavada e, após a germinação, foram transplantadas para vasos contendo solução nutritiva ou solução nutritiva com 100 mM de NaCl, em casa de vegetação. Após 27 dias nessas condições, foram avaliadas a fluorescência basal (F0), a eficiência quântica potencial do fotossistema 2 - PS2 (Fv/Fm), a razão Fv/F0 e a eficiência quântica efetiva do PS2 (Y). Os coeficientes dos “quenching” fotoquímico (qP) e não fotoquímico (qN, qCN e NPQ) também foram calculados. O estresse salino aumentou F0 e diminuiu Fv/Fm, Fv/F0 e Y, sugerindo injúrias na estrutura dos tilacóides causadas pela salinidade. Esses efeitos foram mais pronunciados no genótipo AG-960 e menos pronunciados no AG-975. O genótipo AG-960 também apresentou os maiores aumentos em qN, qCN e NPQ, em contraste com o observado para o AG-975. Dessa forma, AG-975 e AG-960 foram caracterizados como tolerante e sensível à salinidade, respectivamente. Os demais genótipos apresentaram tolerância intermediária ao estresse salino. Os resultados indicam que a fluorescência da clorofila pode ser utilizada como uma ferramenta para a seleção de genótipos de girassol tolerantes à salinidade.

Palavras-chave


Estresse salino; Helianthus anuus

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.