Aplicação de silício em milho e feijão-de-corda sob estresse salino

Michella de Albuquerque Lima, Victor Freitas de Castro, Jones Batista Vidal, Joaquim Enéas-Filho

Resumo


Apesar de não ser um nutriente essencial, o silício pode aumentar o potencial produtivo de algumas culturas e tem sido utilizado para atenuar os efeitos tóxicos do estresse salino. Nesse sentido, objetivou-se avaliar o efeito do silicato de sódio aplicado sob dois modos diferentes em plântulas de milho e feijão-de-corda submetidas à salinidade. Em casa de vegetação, as plântulas receberam uma dose de Na2SiO3 a 1 mM, via aplicação foliar ou diretamente na solução nutritiva, e foram cultivadas na presença ou ausência de NaCl a 100 mM, durante 15 dias. Foram avaliados a matéria seca de folhas, caules e raízes, a área foliar e o vazamento de eletrólitos em folhas e raízes. De modo geral, a salinidade reduziu a matéria seca das folhas, caules e raízes e aumentou o vazamento de eletrólitos nas folhas e raízes das plântulas. A aplicação de silício via solução nutritiva promoveu maiores valores em todos os parâmetros de crescimento e reduziu os danos de membrana no milho, mas isso não foi observado em feijão-de-corda. O silício atenuou os efeitos tóxicos do NaCl no crescimento das plântulas de milho, quando aplicado diretamente na solução nutritiva.


Palavras-chave


Silicatos; Salinidade; Zea mays.; Vigna unguiculata

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.