Persistência e liberação de elementos da fitomassa do consórcio crotalária com milheto sob fragmentação

Claudio Hideo Martins da Costa, Carlos Alexandre Costa Crusciol, Rogério Peres Soratto, Jayme Ferrari Neto

Resumo


Objetivou-se, com esse trabalho, avaliar a taxa de decomposição e a velocidade de liberação de macronutrientes e Si da fitomassa do consórcio crotalária mais milheto, em função do tempo após manejo, sem e com fragmentação. O experimento foi conduzido em condições de campo, em Botucatu-SP. O delineamento experimental foi de blocos casualizados, com quatro repetições, em esquema fatorial constituído por dois manejos da fitomassa da parte aérea (sem e com fragmentação mecânica) e seis épocas de coleta [0; 18; 32; 46; 74 e 91 dias após manejo (DAM)]. Foram determinadas a massa de matéria seca, teor de macronutrientes e Si e quantidade dos nutrientes remanescentes. Os dados foram submetidos à análise de variância, as médias dos tratamentos do fator manejo comparadas pelo teste de t (LSD) a 5% e do fator épocas de coletas ajustados a equações matemáticas. A fragmentação da fitomassa aumenta a taxa de decomposição e a liberação de N, P, Ca e S. O K é rapidamente disponibilizado, restando 91 DAM, em média, 1,5% da quantidade total acumulada. Aos 91 DAM pelo menos 80% de todos os macronutrientes já haviam sido liberados ao solo. A máxima liberação diária dos macronutrientes ocorre entre 0 a 18 DAM. A taxa de liberação de Si é constante e ocorre aumento do teor do elemento na fitomassa com o tempo devido à acentuada liberação de C. O Si é o elemento liberado mais lentamente ao solo, restando ainda 91 DAM, em média, 85% da quantidade total acumulada na fitomassa.


Palavras-chave


Crotalaria juncea; Milheto; Palha-utilização na agricultura; Cultivo consorciado

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.