Enraizamento de estacas de Celtis triflora (Kl) Mig sob diferentes coberturas

Sammy Sidney Rocha Matias, Herly Carlos Teixeira Dias, Leonaldo Alves de Andrade, Adailson Pereira de Souza

Resumo


O enraizamento de estacas tem sido uma das técnicas mais utilizadas para a propagação vegetativa, e tem sido bastante viável para produção de mudas, em grande escala, para algumas espécies. O Celtis triflora (Kl) Mig conhecido vulgarmente no nordeste brasileiro e, no semi-árido paraibano, como “juazeiro-de-bode”, tem se destacado pelo potencial forrageiro que apresenta, sobretudo para caprinos. Com o objetivo de definir a melhor estratégia para a produção de mudas de Celtis triflora (Kl) Mig, foram testadas diferentes coberturas: controle (ausência de cobertura), plástico e tecido-não-tecido (TNT). O delineamento estatístico utilizado foi o inteiramente casualizado com 3 (três) tratamentos, e 9 (nove) repetições, sendo 6 (seis) estacas por repetição, totalizando 162 estacas. Após 110 dias do plantio, foram avaliados o número de estacas enraizadas e as que apresentavam raízes primarias, o peso da matéria seca da estaca (brotos e raiz) como também o comprimento dos brotos, número de folhas e de brotos (primário e secundário). Para a análise estatística foi utilizado o teste de Student-Newman-Keuls a 5%. Os maiores resultados foram obtidos com a cobertura de plástico, que favoreceu significativamente o maior número de brotações primárias, de folhas e comprimento das brotações primárias. A cobertura com plástico transparente de estacas de Celtis triflora (Kl) favoreceu o desenvolvimento da parte aérea das mesmas, entretanto, o mesmo não foi verificado quanto ao sistema radicular.


Palavras-chave


Celtis Triflora, Seedlings, root

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.