Comparação dos parâmetros físico-químicos e químicos de pós alimentícios obtidos de resíduos de abacaxi

José Maria Correia da Costa, Érica Milô de Freitas Felipe, Geraldo Arraes Maia, Isabella Montenegro Brasil, Fernando Felipe Herreyra Hernandez

Resumo


Este trabalho teve como objetivo transformar os resíduos de casca e bagaço do abacaxi proveniente da industrialização deste fruto em pós alimentícios no intuito de efetuar uma análise comparativa dos seus parâmetros físico-químicos e químicos. Os bagaços e cascas do abacaxi foram obtidos de uma indústria local logo após o processamento da polpa congelada e em seguida transportados para o Laboratório de Frutos e Hortaliças da Universidade Federal do Ceará. As cascas e bagaços foram cortados e desidratados em estufa à vácuo, a temperatura de 60ºC e trituradas usando um liquidificador durante 10 minutos; posteriormente, foram peneirados para obter pós de 0,5 a 1 mm de diâmetro. O acondicionamento dos pós alimentícios foi realizado em recipientes de vidro envolvido em papel alumínio e em filme de PVC. Os valores médios dos parâmetros físico-químicos foram, respectivamente, para os pós de casca e bagaço de abacaxi de: umidade (9,92% e 8,05%); proteína (3,27% e 3,18%); lipídeos (1,60% e 0,72%); fibras (7,52% e 5,89%); cinzas (2,03% e 2,15%); pH (3,98 e 3,66); acidez (2,53% e 2,98%); sólidos solúveis (60,38°Brix e 60,71°Brix); açúcares redutores (18,95% e 32,94%); açúcares não redutores (18,38% e 3,11%); açúcares totais (37,33% e 36,05%) e vitamina C (27,07 mg/100g e 18,61 mg/100g). Os valores do teor de fibra, lipídeos, açúcares redutores, açúcares não redutores e vitamina C da casca e do bagaço de abacaxi diferem entre si ao nível de 5% de probabilidade segundo o Teste de Tukey.


Palavras-chave


pineapple, residues, food powders

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.