Manejo de irrigação e nitrogênio no feijoeiro comum cultivado em sistema plantio direto

Adriano da Silva Lopes, Gabriel Queiroz de Oliveira, Sebastião Nilce Souto Filho, Renato Jaqueto Goes, Marcos Antonio Camacho da Silva

Resumo


Diante de inovações tecnológicas, como a irrigação, o feijoeiro vem sendo cultivado por produtores que dispõem dos mais variados níveis de tecnologia que, em épocas adequadas, permitem que o plantio tenha melhoria na produtividade. O objetivo deste trabalho foi avaliar diferentes manejos de irrigação e doses de nitrogênio em feijoeiro-comum cultivado em sistema plantio direto no município de Aquidauana - MS. O experimento foi realizado na Unidade Universitária de Aquidauana - Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, cujo solo da área foi classificado como Argissolo Vermelho Amarelo Distrófico, utilizando-se a cultivar "Pérola" semeado em 30 de junho de 2007. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados, com parcelas subdivididas composto por três blocos e duas replicações dentro de cada bloco. As parcelas foram compostas por três manejos de irrigação: método do tanque Classe A (TCA), equação Hargreaves-Samani (HARG) e manejo por tensiometria ao potencial mátrico de -40 kPa (TENS), com reposição de água de 16,5 mm para todos os parcelas de irrigação. As subparcelas foram compostas por quatro doses de adubação nitrogenada em cobertura (0; 50; 100 e 150 kg ha-1), no qual a fonte de nitrogênio foi a uréia. Conclui-se que o manejo de irrigação através do TCA e do HARG proporcionou maiores produtividades de grãos do feijoeiro, 3031,11 e 3005,02 kg ha-1 respectivamente.


Palavras-chave


Phaseolus vulgaris; Tanque Classe A; Evapotranspiração; Ureia

Texto completo:

PDF


Revista Ciência Agronômica ISSN 1806-6690 (online) 0045-6888 (impresso), Site: www.ccarevista.ufc.br, e-mail: ccarev@ufc.br - Fone: (85) 3366.9702 - Expediente: 2ª a 6ª feira - de 7 às 17h.